Crea-RJ homenageia profissionais e entidades

O Crea-RJ realizou na noite desta quarta-feira, 04/12, a entrega dos Diplomas do Mérito Profissional e a inscrição no livro “Láurea ao Mérito do Crea-RJ” em comemoração ao Dia do Engenheiro.

A AENFER indicou o engenheiro Mecânico Luiz Octavio da Silva Oliveira (in memoriam) para a inscrição no Livro do Mérito. O diretor Cultural e de Preservação da Memória Ferroviária da AENFER Helio Suêvo recebeu o prêmio representando a família do homenageado.

A cerimônia aconteceu no Clube de Engenharia e reuniu profissionais do setor  e familiares que prestigiaram o evento.

 

Anualmente, o Crea-RJ homenageia os profissionais da área tecnológica que contribuíram prestando serviços relevantes à sociedade e ao Sistema Confea/Crea. A entrega dos Diplomas e a inscrição no Livro são marcos do reconhecimento do Crea-RJ a estes profissionais.

Na ocasião, representando a entidade, o vice-presidente da AENFER Alexandre Julio Lopes de Almeida recebeu o Diploma da ABIFER, que foi homenageada por indicação da AENFER em 2016 e, por questões de logística não compareceu à época para receber o diploma.

O vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Leopoldina (AEEFL) engenheiro Jair José da Silva, foi um dos homenageados com o Diploma do Mérito.

Confira a lista dos homenageados de 2018 com Diploma do Mérito

Eng.º de Operação e Construção Civil Antonio Cezar Carvalho Benoliel

Eng.º Civil Fernando Ottoboni Pinho

Eng.º Mecânico Jair José da Silva

Eng.º Civil Julio Ferrarini Maione

Eng.º Metalurgista Luiz Paulo Mendonça Brandão

Clube de Engenharia – CE

Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro – SENGE-RJ

Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ

 

Agraciados com inscrição no Livro do Mérito

Eng.º Civil Fernando Luiz Cumplido Mac Dowell da Costa

Eng.º Civil Fernando Moreira D`Affonseca

Eng.º Eletricista José Chacon de Assis

Geólogo José Eduardo de Barros Dutra

Eng.º Mecânico Luiz Octavio da Silva Oliveira

Eng.º Civil Mario Sérgio de Castro Bandeira

 

 

 

Fundação REFER empossa Diretoria

O Conselho Deliberativo da Fundação REFER, por meio do seu presidente, o advogado Marcelo Luiz Onida de Araujo, em decorrência do recebimento pela entidade, em 26/11/2018, dos atestados de habilitação de dirigentes, emitidos pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), deu posse, em 27/11/18, ao Diretor-Presidente, engenheiro Manoel Geraldo Costa e ao Diretor Financeiro (AETQ), economista Carlos Alberto Pinto da Silva, para cumprimento dos respectivos mandatos, cujos prazos encerrar-se-ão em 31/08/2019.

Com a posse dos diretores, o Conselho Deliberativo da REFER, a partir do dia 30/11/2018, se afasta das atividades administrativas e operacionais da Fundação e retorna à rotina das suas funções, reunindo-se, mensalmente, para as deliberações na Fundação REFER.

Fonte: REFER, novembro/2018

Aos associados da Aenfer

Prepare-se para mais uma excursão que a Aenfer promoverá, desta vez, na Rota da Moqueca e Serras Capixabas nas cidades de: Vila Velha, Vitória, Guarapari, Domingos Martins e Venda Nova do Imigrante.

O pacote inclui:

Viagem em ônibus de turismo semi-leito;

04 noites de hospedagem em Vila Velha na Praia da Costa;

Café da manhã no hotel;

05 refeições;

City tour em Vitória e Vila Velha;

Ingresso para visita ao Projeto Tamar;

Ingressos de acesso ao Convento da Penha;

City tour em Domingos Martins e Venda Nova do Imigrante, visitando vinícola, cachaçaria, fazenda de agro turismo, parada para compras de queijo, salame, café…

Guia de Turismo local nos passeios e guia de turismo acompanhante

Valor: R$ 1.595,14 – Entrada de R$ 295,00 até 13/12/2018 e restante parcelado em 4x de janeiro a abril de 2019.

Contato: (21) 98105-8924 / (21) 3895-8421 (21) 3082-0396 – Luciano

Aenfer participa de debate na WebTV Crea-RJ

O diretor Cultural e de Preservação da Memória Ferroviária da Aenfer Hélio Suêvo participou no da 23 de novembro da gravação do Programa Crea-RJ Debate sobre Mobilidade Urbana – O Sucateamento do Transporte Ferroviário no Brasil, ainda sem data para ir ao ar na WebTV Crea-RJ.
 
Além de Hélio Suêvo, participaram do debate: o presidente do Crea-RJ, engenheiro eletricista e de segurança do trabalho Luiz Antonio Cosenza; o mediador Osiris Barboza de Almeida; o diretor de manutenção da SuperVia, engenheiro eletricista Oberlam Calçada; o presidente da Associação Defesa de Usuários de Transportes no Rio de Janeiro, Marcelo Santos; o membro do Fórum Permanente de Mobilidade Urbana do Rio de Janeiro e Região Metropolitana, Ronaldo Pimenta; o diretor de administração e finanças da Companhia Estadual de Engenharia de Transportes e Logística, administrador Wagner de Oliveira; o gerente assessor de expansão do Metrô Rio, engenheiro civil Eli Canetti e o diretor da Casa do Patrimônio Ferroviário do Rio de Janeiro, historiador Bartolomeu D’El-Rei.
Também acompanharam o debate, o vice-presidente da Aenfer Alexandre Almeida e o engenheiro Carlos Rommes (Central Logística).
Fonte e fotos: Crea-RJ

Palestra Técnica – Mobilidade nos Transportes

O engenheiro Sergio Iaccarino participou do encerramento do Ciclo de Palestras Técnicas de 2018 promovido pela Aenfer, dia 07 de novembro.

Mobilidade nos Transportes de Carga e Urbano no Brasil: Logística, Infraestrutura, Governança e Competitividade nos Trilhos foi o tema apresentado

Iaccarino abriu sua apresentação partindo como ideia central contextualizar a mobilidade (ou a falta dela). Disse que a distribuição intermodal de transporte no Brasil é irracional porque é associada a ausência de equilíbrio de sua logística institucional pela não utilização dos modos mais eficientes sob os pontos de vistas econômico, energético e ambiental. Para o palestrante, técnicos e políticos deveriam convergir, visando na mutação de paradigma.

Segundo o engenheiro, a multimodalidade passa a ser uma exigência de modernidade. A política de protagonismo para os modos mais eficientes potencializarão uma matriz intermodal equilibrada, com integração logística e sustentabilidade, disse. De acordo com o palestrante, precisamos definir que o transporte sobre trilhos é preponderante sobre os demais modos e somente passível de comparação com o modo aquaviário. Ele atestou que não se pode ter uma matriz intermodal cara, com 60% sendo transportada por rodovia. Para ele, qualquer governo deveria mudar essa logística e considera insustentável manter a prevalência do transporte rodoviário. Ele alertou para a baixa qualidade de infraestrutura  nesse  modo e destacou  que falta qualidade nas rodovias. Sobre logística de carga, foi apresentado um gráfico que mostra o Brasil, acompanhado de outros países desenvolvidos, como a França e a Alemanha, mas com dimensão geográfica equivalente ao estado de Minas Gerais onde o maior destaque é para o modo rodoviário, diferente da China, E.U.A e Rússia onde a prevalência é ferroviária.

Planos de mobilidade urbana – o engenheiro  relembrou, quando, na AENFER, questionou com o então secretário de Transportes do Estado do Rio de Janeiro Carlos Roberto Osório sobre a implantação do BRT no Rio de Janeiro, na época sendo apresentado como um modelo eficiente, o que não se vê na prática.

Ele comparou os modos mais eficientes, ao se analisar as partes ambiental, econômica e energética. Falou sobre o BRT e VLT com relação a custos de implantação e faixa de capacidade de transporte.

Sobre as desvantagens do BRT ele destacou o impacto ambiental; tendência a degradar o entorno; por ser um sistema aberto pode causar insegurança aos usuários; com a operação ao nível da rua, acidentes são possíveis e condições climáticas afetam o sistema. Já o VLT tem tração elétrica, sem emissão de gases, é compatível com área de pedestres, tem corredor parcialmente reservado, circula em centros históricos, é um transporte elétrico sobre..trilhos.

O palestrante falou da política nacional de mobilidade urbana, que é um dos instrumentos de desenvolvimento urbano  no  Brasil e  tem   como   finalidade   a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria  da acessibilidade e da mobilidade de pessoas e cargas.

Eu seu estudo, Iaccarino destacou a importância de atender três atributos: espaço, tempo e estado, permitindo a possibilidade das pessoas se deslocarem de onde estão para onde desejam, chegarem ao destino dentro do tempo necessário e mais do que chegar aonde se deseja, chegar no tempo que precisa com conforto e segurança.

O engenheiro mostrou a  situação atual da rede metropolitana do Rio de Janeiro e salientou sobre a prevalência contraditória do modo rodoviário de transportes e consequente subutilização dos modos sobre trilhos e aquaviários e a ausência de um planejamento integrado das políticas setoriais, além da necessidade urgente de criação de uma governança metropolitana.

Especialista de Infraestrutura Sênior do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Iaccarino encerrou a palestra dando a oportunidade ao público presente de debater sobre o tema. Técnicos e engenheiros participaram do evento.

 

 

MP do Fundo Ferroviário não é votada na Câmara e perderá validade

Após obstrução de partidos, o plenário da Câmara encerrou as atividades de hoje (28) sem apreciar a Medida Provisória 845/18, que cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Ferroviário (FNDF). A MP, que perde a vigência hoje, ainda precisava ser analisada pelo Senado para que continuasse em vigor.

Segundo o governo, o fundo possibilitaria investimentos no setor, principalmente no Norte do país, ao reduzir custos de transportes, da emissão de poluentes e do número de acidentes em rodovias. No entanto, a proposta enfrentou resistência na Câmara. Semana passada, o plenário rejeitou o projeto de lei de conversão da MP, que propunha a aplicação dos recursos exclusivamente nessa finalidade.

Com a tentativa fracassada em votar a MP, o líder do governo, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou que é preciso dialogar para que a pauta do plenário seja construída após consenso entre os líderes partidários.

“Nos cabe enquanto governo, ter a sensibilidade unida à responsabilidade de aqui nessa Casa debatermos e construirmos uma pauta de votação que, antes de tudo, possa respeitar o nosso país”, disse. “Tem matérias importantes que o governo atual não vai usar da irresponsabilidade, de aqui ajudar a se aprovar matérias que possam impactar o novo governo, que cabe também a responsabilidade da transição. Não vamos aqui fazer proselitismo político”, completou Ribeiro.

Fundo

A MP chegou a ser aprovada há duas semanas na comissão mista que analisava o tema. O objetivo do fundo, cuja previsão de funcionamento era de cinco anos, era ampliar a capacidade logística do Sistema Ferroviário Nacional. Entre as fontes previstas para o FNDF estavam recursos do Orçamento da União, doações, além de arrecadações com a outorga de concessões de trechos de ferrovias.

Fonte: Agência Brasil – EBC, 28/11/2018 

CBTU atinge mais alto nível

Assim como um trem, que para oferecer uma viagem segura e pontual depende de ação integrada de diversos fatores técnicos, uma empresa, para funcionar com excelência, carece de mão-de-obra capacitada, integrada e colaborativa”, resumiu o presidente da CBTU, José Marques de Lima, ao atribuir ao trabalho dos empregados a elevação da empresa ao nível máximo junto ao Indicador da Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, o IG SEST, desenvolvido pelo Ministério do Planejamento.
O índice busca promover e implantar melhores práticas de mercado e ampliar o nível de governança corporativa nas empresas estatais. Estes mecanismos de avaliação atravessam três ciclos de desempenho, nos quais a CBTU vem apresentando constante evolução em se adequar às exigências da Lei 13.303/2016, que estabelece diretrizes e metas ligadas à transparência, auditorias, controles internos e plena operação de ouvidorias e comitês de gestão.
De acordo com o presidente, assim como nos trens operados pela CBTU, a atuação do coletivo e a sinergia entre empregados dos diferentes departamentos garantem à Companhia um patamar de destaque e reconhecimento na estrutura do Governo Federal.

“Ao sermos incluídos no nível máximo de satisfação ao crivo da SEST, agradeço a cada empregado desta Companhia, dedicada a transportar vidas e a assegurar a mobilidade necessária ao desenvolvimento regional e social de tantas cidades de nosso país”, ressaltou José Marques.

Fonte: Ascom – CBTU, 28/11/2018

Audiência Pública

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais irá receber ferroviários e ferroviaristas na próxima segunda-feira (03), às 10 horas.

Os parlamentares estarão reunidos para tratar da pauta de reivindicação de recursos de multa para recuperação de linhas ferroviárias.

O encontro contará com a presença do vice-presidente da Associação Fluminense de Preservação Ferroviária – AFPF  Antonio Pastori e será realizado no Salão Nobre do Centro Administrativo Municipal (Rua Gomes Barbosa, nº 803, Centro, Viçosa-MG.

A realização é da Comissão Parlamentar Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

 

 

Trem que vai ligar Minas ao Rio pode ser inaugurado em janeiro

Rumo ao futuro, sem sair dos trilhos. A morte do presidente da organização não governamental (ONG) Amigos do Trem, Paulo Henrique do Nascimento, cujo corpo foi cremado na sexta-feira, em Matias Barbosa, na Zona da Mata, não vai paralisar o projeto Trem Turístico Minas-Rio, que pretende ligar Cataguases (MG) e Três Rios (RJ). “A expectativa é que a inauguração ocorra em janeiro”, afirmou, ontem, a sobrinha de Paulo Henrique, Cyntia Nascimento, em atuação nas áreas de comunicação e assistência social da ONG. Ela acrescentou que os oito prefeitos da região beneficiada deram total apoio à iniciativa, que tem ainda no roteiro Leopoldina, Recreio, Volta Grande, Além Paraíba, Chiador e Sapucaia.

Lembrando o espírito guerreiro de Paulo Henrique, que terá as cinzas lançadas ao longo do trecho Cataguases-Três Rios, na viagem inaugural do trem turístico, Cyntia contou que hoje haverá uma reunião com todos os envolvidos no projeto turístico para acertar as próximas ações. No município fluminense de Três Rios, a prefeitura faz obras, que deverão ser concluídas em um mês. “Estamos muito tristes com a perda, mas confiantes, pois era um projeto muito importante para meu tio, um ardoroso defensor das ferrovias”, afirmou.

Os trens são alvo de debate na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), em audiências da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras. Na quinta-feira, o tema foi exatamente aqueles destinados ao turismo. Segundo os participantes das discussões, conforme nota divulgada pelo Legislativo, “o principal entrave é convencer as concessionárias de que é possível dividir as linhas, hoje praticamente tomadas pelo transporte de carga, com o transporte de passageiros”.

GUERREIRO

Natural de Juiz de Fora e com 45 anos, sem filhos, Paulo Henrique faleceu na tarde de quinta-feira, no Rio de Janeiro (RJ), depois de lutar durante quatro anos contra câncer de pulmão – ele estava internado no hospital Adão Pereira Nunes.

Em março, o Estado de Minas publicou uma matéria sobre o projeto e, dois meses depois, outra reportagem e um vídeo, feito pelo repórter fotográfico Edésio Ferreira, de grande repercussão na internet: foi compartilhado mais de 11 mil vezes e alcançou mais de 1 milhão de pessoas.

A equipe do jornal acompanhou a viagem-teste em 19 de maio, de Recreio  a Cataguases, ambos municípios da Zona da Mata.

AUDIÊNCIA

A Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras, presidida pelo deputado João Leite (PSDB) vem se reunindo para discutir a questão das ferrovias. Em Minas, conforme levantamentos dos parlamentares do grupo, há formatados pelo menos três projetos para implantação de circuitos turísticos de trens de passageiros no estado. Um dos projetos, desenvolvido pela Oscip Apito em parceria com a ONG Cidades, se refere a linha para ligar o Bairro Belvedere, em Belo Horizonte, ao Instituto Inhotim, em Brumadinho, na Grande BH, centro de arte que atrai visitantes do mundo inteiro.

De acordo com o presidente da Apito, Sérgio Motta de Melo, BH-Inhotim seria uma linha de 51 quilômetros de extensão, que usaria vagões abandonados do antigo trem de passageiros Vera Cruz, que ligava Minas ao Rio. O trem começaria a operar progressivamente a%té atingir um total de 10 vagões de luxo, com capacidade para 780 passageiros.

Fonte: Em.com.br, 28/11/2081

Gustavo Werneck

Para onde vão nossos trilhos?

Vice-presidente da Federação das Associações de Engenheiros Ferroviários – FAEF, engenheira Clarice Maria de Aquino Soraggi, ministrará palestra nesta quarta-feira (28) na Seaerj. Ela abordará o tema:

Para onde vão nossos trilhos?

A palestra será às 10h30 na sede da Seaerj, com entrada franca!

Rua do Russel, 01 – Glória-RJ