Trens, metrô e barcas fora do prazo de validade

Ainda aguardando novas composições, trens do Metrô Rio e da Supervia e embarcações das Barcas S. A. continuam em circulação mesmo depois de ultrapassados seus  prazos de vida útil.

RIO – De tão desgastado, um trem que circulava no trecho entre Saracuruna e Guapimirim, na manhã de quinta-feira, sequer fechava algumas das portas. Apesar do prazo de validade vencido – tem cerca de 50 anos -, ele e outros 48 veículos da mesma idade, todos de aço-carbono, ainda trafegam em ramais da SuperVia e representam quase um terço da frota da empresa. Pelos padrões internacionais, a vida útil de um trem oscila entre 25 e 30 anos. E os 32 do metrô do Rio também ultrapassaram essa barreira: todos foram comprados pelo estado em 1978.

– À medida que o tempo vai passando, fica cada vez mais caro fazer a manutenção de um trem, e isso tem reflexos na tarifa – observa o engenheiro Fernando Mac Dowell, especialista em transportes e ex-presidente do metrô. – No caso dos de aço-carbono, acho complicado serem aproveitados. Os outros podem ser modernizados. Essa modernização, porém, tem que ser generalizada, atingindo todo o sistema de operação.

A SuperVia tem 160 composições, sendo que 20 delas ficam normalmente em manutenção. Além das 49 de aço-carbono, a frota conta com 91 de aço inox (18 com ar-condicionado), com cerca de 30 anos, e 20 coreanas (também refrigeradas), adquiridas em 2007.

O processo de aposentadoria das composições de aço-carbono deve ser deflagrado este ano, com a entrada em operação do primeiro novo trem de um pacote de 124, informa a Secretaria estadual de Transportes. Segundo o presidente da SuperVia, Carlos José Cunha, à medida que as composições forem chegando, as mais antigas serão substituídas. Das 124, o governo estadual adquiriu 34, que estão sendo fabricadas na China. Outras 60 serão licitadas pelo estado este ano. Os 30 trens restantes serão comprados pela SuperVia: a concessionária tem até 2020 para adquirir os veículos, conforme previsto em contrato, mas pretende antecipar o cronograma.

– A idade média de nossa frota é de 35 anos. Apesar de muita manutenção, não conseguimos uma performance de qualidade – diz Cunha. – Mas os novos trens e a colocação de ar-condicionado em 73 composições vai permitir que cheguemos em 2014 com um frota toda com ar e idade media de 16 anos. A partir daí, a gente espera oferecer um serviço de boa qualidade, com conforto e segurança.

Metrô: superlotação provocaria danos
Entre os usuários, uma das principais queixas é quanto aos enguiços de trens. O porteiro José da Silva Soares, de 25 anos, que mora em Saracuruna, Caxias, e trabalha no Rio, já passou por maus momentos:

– O trem parou comigo três vezes em um ano. O jeito é descer e sair andando pela linha férrea até a próxima estação.
Também morador da Baixada, Flávio Pacheco de Oliveira, que usa cadeira de rodas, pega diariamente o trem até a Central. Sua principal queixa é quanto à acessibilidade, porque as composições antigas ficam desniveladas em relação à plataforma.

– Preciso de ajuda para colocar e tirar a cadeira de rodas do trem – diz o vendedor Flávio, de 22 anos.

Os 32 trens do metrô são formados por 182 carros – 36 entregues pelo estado em 1998, mas, como faziam parte do mesmo contrato dos demais, têm a tecnologia da década de 70.

– Temos o maior índice do mundo de utilização da frota no horário de pico: quase 100%. O investimento feito pela concessionária Metrô Rio em manutenção é crescente. No último ano, chegou a mais de R$ 31 milhões – afirma Rosa Cassar, gerente de Relações Institucionais e Governamentais da empresa.

Para Mac Dowell, a superlotação tem causado danos aos vagões do metrô:

– Ao colocar oito pessoas por metro quadrado nos vagões, a estrutura pode abaular e as portas começam a não fechar direito. O trem sente muito. Os vagões foram projetados para até oito pessoas por metro quadrado como carga. É um cálculo de segurança e não para uso permanente.

Como a da SuperVia, a frota do metrô também deve ganhar trens (19 com 114 carros). A previsão é que o primeiro chegue em dezembro e os demais, em 2012. Os investimentos estão sendo feitos pela Metrô Rio como contrapartida à ampliação do contrato de concessão.

Fonte: O Globo, 18/06/2011

Bombardier mostra monotrilho ao Rio

Bombardier apresentou à Prefeitura do Rio de Janeiro, no início do mês de junho, projeto de integração modal de transportes para a Barra da Tijuca, através de sistema de monotrilho.

Estudo propõe duas linhas, com 31,4 km de extensão e 27 estações, que farão interligação entre o metrô e os BRTs TransOeste, TransCarioca e TransOlímpica.

A empresa ainda não revelou o custo para implantação do projeto.

O estudo propõe duas linhas de monotrilho, com 31,4 km de extensão total, que fazem a integração com os outros modais: metrô e BRTs TransOeste, TransCarioca e TransOlímpica.

A linha denominada Circuito Azul começa com uma integração modal com a Estação Jardim Oceânica do metrô e vai até o Recreio Shopping. São 18 estações em 18,9 km de extensão, sendo monotrilho interligado com a TransOeste a partir da Alvorada. No Circuito Vermelha o monotrilho faz a integração modal com a TransCarioca, na Alvorada, e, com a TransOlímpica, na Av. Salvador Allende. São 09 estações em 12,5 km.

Fonte: Revista Ferroviária, 21/06/2011

Metrô Macaé: resultado da união entre governos

Após dois anos de muito planejamento e estudo, o projeto segue agora para a fase de licitações de itens como via permanente, estações, sistema de comunicação e controle operacional.

O Metrô Macaé – com o sistema de Veículo Leve sobre Trilhos – é um projeto dos governos municipal, estadual e federal para a população. A afirmação é do prefeito Riverton Mussi (PMDB), que participou na terça-feira (21/06), da explicação técnica do projeto para ferroviários aposentados, no paço municipal. A prefeitura de Macaé investe R$ 25 milhões na aquisição das oito composições, o governo federal publicou a liberação de R$ 47,8 milhões, para o financiamento da estrutura do projeto, com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), pela Caixa Econômica Federal e o governo do Estado fornece toda a consultoria técnica.

– Queremos aproveitar a mão-de-obra dos ex-ferroviários e pensionistas da antiga Rede Ferroviária Federal de Macaé, implantar o museu na antiga estação, que a prefeitura adquiriu ao impedir o leilão, e consolidar esse novo projeto de transporte de passageiros, ampliando até a Virgem Santa – afirmou o prefeito.

– Conhecemos o VLT do Cariri, pedimos a parceria técnica do governo do estado, licitamos as composições e semana passada foi publicada no Diário Oficial da União a liberação de R$ 47 milhões do governo federal para o financiamento da estrutura do Metrô Macaé, acrescentou.

Próxima etapa é licitação para infraestrutura.

A previsão é de que a primeira composição do VLT chegue à cidade
em maio de 2012, iniciando os testes operacionais, que na primeira fase, utilizarão cerca de 12 quilômetros da via, do Centro a Imboassica.

De acordo com o secretário de Mobilidade Urbana Jorjão Siqueira, o aumento da oferta de transporte será significativo principalmente pela integração entre os modais, ônibus e VLT.

– Não teremos prejuízos para as áreas que não forem contempladas
nesta primeira fase, toda a operação será complementar e integrada, facilitando a vida do usuário e trazendo mais qualidade ao sistema, revelou.

Para a primeira fase, estão previstas sete estações, sendo duas terminais – Central e Imboassica – e cinco intermediárias. O diretor adjunto de Engenharia da Secretaria de Estado de Transportes, Marcelo Nery, ressaltou que a consolidação desse projeto reforça o pioneirismo do governo municipal em buscar soluções alternativas para um problema mundial, o deslocamento de pessoas e serviços.

A presidente da Associação dos Ex-ferroviários e Pensionistas de Macaé, Anita Pérpetuo, parabenizou a iniciativa e inclusão da classe que vem contribuindo com a formatação dos trabalhos de implantação do VLT e acrescentou que o Museu Ferroviário será fundamental para a manutenção deste traço histórico e cultural da cidade.

No próximo dia 30, uma comitiva com representantes do governo municipal, da Câmara Legislativa, da Associação de ex-ferroviários e imprensa local segue para a região de Juazeiro do Norte, no Ceará para visitar a fábrica das composições do VLT.

Fonte: Click Macaé – Macaé/RJ – NOTÍCIAS, 21/06/2011

China produzirá trens no Brasil

A gigante chinesa CNR China Northern Railway vai produzir trens no Brasil a partir do ano que vem, em Três Rios.
Atualmente, a CNR mantém produções na Ásia, na Austrália e na África.

Com contrato fechado para fabricar 34 trens para o governo do Rio, a empresa vai investir R$ 200 milhões numa unidade na cidade de Três Rios (RJ), próxima à divisa com Minas Gerais.

A construção dos trens no Rio era uma das exigências da licitação para a compra de novas composições. Uma primeira encomenda para 30 trens, adquiridos por US$ 166 milhões (R$ 300 milhões), está em produção na China. O início das entregas está previsto para o fim do ano. A companhia chinesa vai se instalar na fábrica da T’Trans, que funciona há 12 anos na cidade. As duas empresas firmaram acordo de cooperação técnica. A atual unidade da T’Trans está com 70% de capacidade ociosa, que será ocupada pela CNR.

Atualmente, a fábrica tem 170 funcionários. Com a chegada dos chineses, a previsão é alcançar 2.500 trabalhadores. Os R$ 200 milhões serão investidos na aquisição de maquinário e modernização da planta já existente. Três Rios, cidade com população estimada em 76 mil habitantes, tem tradição ferroviária. Era lá que funcionava a Companhia Industrial Santa Matilde, uma das principais fabricantes do setor nos anos 1970.

Além da mão de obra local já habituada ao setor ferroviário, incentivos garantiram a entrada dos chineses, que ficarão isentos de pagar ICMS sobre a produção dos trens encomendados pelo governo do Rio e operados pela concessionária SuperVia.

Terreno

A Prefeitura de Três Rios já garantiu a cessão de um terreno vizinho de 12 mil metros quadrados, caso a empresa chinesa queira ampliar suas operações. Além de já ter encomendas em outros Estados, a CNR tem tecnologia para fabricar peças e vagões do trem-bala.

“Temos a segurança de que os chineses vão permanecer por mais tempo, já que o contrato prevê que eles farão a manutenção dos trens. Haverá demanda por longo período”, diz o prefeito Vinicius Farah (PMDB).

A CNR também é a fornecedora dos 19 trens comprados pelo Metrô Rio por US$ 148,2 milhões (R$ 266 milhões). O primeiro deles tem previsão de chegada ao Rio no fim de 2011.?Com a vinda dos chineses, Três Rios projeta crescer 21% nos próximos dez anos. Segundo dados da prefeitura, 91 novas empresas do ramo industrial se instalaram na cidade nos últimos 30 meses.

A cidade receberá também nova fábrica da Nestlé, cujo investimento previsto chega a R$ 163 milhões.

Fonte: Folha de S. Paulo, 21/06/2011

Ferroviários pedem ajuda para plano de saúde

Segundo o diretor executivo do Sesef, será necessário aporte público de R$ 82  milhões para recompor a reserva técnica e manter em funcionamento o Plano de Saúde dos Ferroviários .

A informação foi dada na terça-feira (21) pelo diretor-executivo do Serviço Social das Estradas de Ferro (Sesef), Jorge Moura, durante audiência pública promovida pela Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social, ligada à Comissão de Assuntos Sociais (CAS). A reunião foi presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS).

Segundo Moura, a reserva técnica do fundo, calculada em 33 mil Notas do Tesouro, foi consumida de forma criminosa. Com isso, afirmou, o plano perdeu seu equilíbrio financeiro e está ameaçado de extinção. Ele pediu apoio aos senadores presentes à audiência no trabalho de convencer o governo a promover um aporte de recursos capaz de recompor a reserva técnica do fundo.

– Precisamos que o governo reponha essas Notas do Tesouro. E não vamos ficar de pires na mão eternamente – disse Moura, lembrando que cerca de 13 mil ferroviários de 70 a 80 anos poderão ficar sem plano de saúde.

Representante da Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários, João Edacir Calegari Morais recordou que uma solução para o caso deverá ser adotada em menos de 30 dias, para evitar o fechamento do plano dos ferroviários.

Após ouvir os representantes dos ferroviários, Paim anunciou que a comissão daria todo o apoio às suas reivindicações. Ele afirmou ainda que solicitaria audiência com os ministros do Trabalho, Carlos Lupi, e dos Transportes, Alfredo Nascimento, para tratar do assunto.

– Não é possível que esse país não reconheça a importância da família ferroviária – disse Paim.

As senadoras Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Marinor Brito (PSOL-PA) e Lídice da Mata (PSB-BA) manifestaram apoio aos ferroviários. Lídice da Mata também defendeu a reativação dos trens de passageiros em todo o país. Por sua vez, o senador Casildo Maldaner (PMDB-SC) apoiou o repasse de recursos federais ao plano dos ferroviários e pediu a apuração das responsabilidades pela dilapidação do patrimônio do plano.

Fonte: Agência Senado, 22/06/2011

Arraial na Aenfer

Aenfer recebeu aniversariantes de junho com muita festa em um animado arraial em sua sede.

No dia 09 de junho a Aenfer recebeu os aniversariantes Paulo Depes, Walter Gêd, José Botino, Carlos Rommes, Marcelo Freire, Maria do Rosário (Nazinha), Pedro Marques, Jonair Antunes, Paulo César Amaral, Marly da Silva Netto e Fernando dos Santos Lima, além de associados que vieram prestigiar os colegas que fizeram aniversário.

As comidas típicas que não podem faltar em festas juninas abriram o animado e concorrido “arraiá da Aenfer”.

Na ocasião, além dos aniversariantes que ganharam presentes, os participantes foram contemplados com brindes sorteados pela Diretoria.

Em nome do presidente Luiz Lourenço, o diretor de Acompanhamento Judicial Celso Paulo falou da alegria em receber os amigos em uma casa que deve permanecer ativa e democrática.

Atenção:
Associados residentes em Juiz de Fora e entorno: a AENFER realizará no dia 21/07/2011, na churrascaria Potência do Sul, almoço de confraternização com os aniversariantes de abril, maio, junho e julho/2011. (almoço por adesão) Participe!

Ferroviários na Alerj

Diretoria da Aenfer prestigia audiência pública sobre Turismo Cultural Ferroviário que ocorreu na ALERJ, promovida pela deputada Myriam Rios.

A presidente da Comissão de Turismo da Assembléia Legislativa do Estado do Rio – Alerj e ferroviarista, deputada Myrian Rios realizou uma audiência pública sobre Turismo Cultural Ferroviário que contou com a presença do subsecretário Estadual de Turismo, Audir Santana.

A sessão solene aconteceu no dia 14 de junho, no auditório Nelson Carneiro da Alerj e reuniu diversas entidades ferroviárias, dentre elas a Aenfer, representada pelos diretores Carlo De Luca, Carlos Rommes, Celso Paulo, Luiz Euler, Isabel Cristina, Rosana Pio e Rubem Ladeira.

A programação contou com a participação do presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos e Culturais, Abottc Sávio Neves, que falou sobre turismo cultural ferroviário, atualidade e perspectivas. Ele salientou como anda o turismo ferroviário no Brasil e principalmente no Rio de Janeiro.

– Estamos pagando um preço muito alto pela omissão do nosso sistema. O país precisa entrar na era do transporte sobre trilhos e expandir para vários trechos, disse ele.
Em sua opinião, o TAV, embora o custo seja muito alto, é necessário para o crescimento do país.

A seguir, o conselheiro da Aenfer, engenheiro Helio Suêvo apresentou o projeto de reativação da Estrada de Ferro Mauá, que mostra um estudo esquemático, planilha de custos estimativos e dados técnicos da construção da primeira ferrovia. Ele alertou que é um sonho de todos os ferroviaristas ver a reativação da primeira estrada de ferro brasileira e criticou a realidade da malha ferroviária do Brasil, com cerca de 30 mil quilômetros, menor que a malha da Argentina.

O presidente da Associação Fluminense de Preservação Ferroviária, AFPF Antônio Pastori fez uma exposição sobre projeto de reativação da Estrada de Ferro Príncipe do Grão Pará, um trem expresso imperial, ligando a cidade de Petrópolis ao Rio de Janeiro.

– Serão necessários R$ 73 milhões para realizar o projeto que aumentará o fluxo turístico fluminense através dos trens, além de criar novos postos de trabalho e minimizar os índices de poluição e acidentes e reativar o prolongamento da primeira estrada de ferro do Brasil – explicou Pastori, alertando que serviria também para o transporte regular de passageiros entre Petrópolis e Rio, aproveitando a SuperVia no trecho Vila Inhomirim/Saracuruna e Saracuruna/D. Pedro II.

Os dois projetos apresentados já haviam sido entregues em abril à deputada, em palestra realizada na Aenfer.

Myrian Rios pretende criar uma frente parlamentar em apoio aos ferroviários e promover nova audiência para que esses e outros assuntos sejam levados adiante.

“As ferrovias são um patrimônio de grande importância para a história do nosso Estado e, por isso, estou trabalhando para revitalizá-las, buscando mecanismos para atrair investimentos”, afirmou a deputada.

O diretor da Academia Ferroviária de Letras, AFL José Victor Ferreira entregou à deputada um manifesto questionando as autoridades sobre o que está impossibilitando a construção das novas ferrovias se os projetos já estão prontos há tempos. Ele elogiou a iniciativa da deputada que foi homenageada pelos descendentes de Visconde de Mauá, Francisca Chaves e André Chaves. Eles participaram da solenidade e se emocionaram pela dedicação e interesse dos ferroviários que defendem a volta da primeira ferrovia do Brasil, a Estrada de Ferro Mauá.

no images were found

Aenfer realiza palestra técnica

A Aenfer promove palestra proferida pelo engenheiro José Luiz Lopes Teixeira Filho.sobre Fiscalização, Controle e Acompanhamento dos Contratos de Concessão de Transporte pela Agetransp

A Aenfer recebeu no dia 12 de maio o gerente da Câmara de Transportes e Rodovias da Agência Reguladora de Serviços Públicos, Agetransp, engenheiro José Luiz Lopes Teixeira Filho. Ele participou do ciclo de palestras promovido pela Associação que neste módulo trouxe o tema Fiscalização, Controle e Acompanhamento dos Contratos de Concessão de Transporte.

O engenheiro falou sobre os padrões dos serviços concedidos de transportes de um modo geral e que devem atender principalmente os seguintes requisitos: regularidade, eficiência, segurança, generalidade e cortesia na sua prestação. Em sua apresentação ele esclareceu que o papel da Agência é verificar se a qualidade oferecida pela concessionária é maior ou igual à qualidade exigida pelo contrato de concessão.

Se a qualidade for inferior à qualidade exigida será necessário fazer uma regulação do contrato, alertou José Luiz.

Muitas outras informações foram relacionadas em torno da concessão onde o engenheiro respondeu perguntas ao final de sua apresentação.

VLT de Macaé

No dia 09 de junho, o chefe da Coordenadoria de Planejamento de Transportes – COPTR da Central Logística Heraldo Magioli Mendes trouxe o tema VLT de Macaé projeto conceitual, ligando os bairros de Lagomar a Imboassica em linha férrea da FCA.

Ele apresentou as características arquitetônicas das estações. A ideia é colocar integração com as linhas de ônibus e para garantir mais opções e evitar filas os bilhetes eletrônicos serão vendidos também em estabelecimentos comerciais. De acordo com Heraldo, o VLT de Macaé está previsto para chegar àquela cidade em março de 2012, os veículos já foram adquiridos e os projetos dos demais sistemas serão entregues à prefeitura para que o município possa iniciar o processo de licitação. O VLT tem como objetivo oferecer esse transporte público como forma prioritária para a população. Disse ainda que os carros serão fabricados no Ceará e mostrou vídeos do traçado da linha e da fabricação.

AENFER realiza excursão

Associados da Aenfer participaram nos dias 3, 4 e 5 de junho da primeira excursão deste ano, com destino às fazendas históricas do ciclo do café, no Vale do Paraíba.

A primeira visita foi em Barra do Piraí na Fazenda da Taquara, construída em 1830 e que guarda até hoje acervos da época do café. Na antiga senzala foi servido um almoço típico aos visitantes que logo após ficaram hospedados no Hotel Palmeira Imperial, único hotel temático da região.

À noite, o grupo aproveitou o romantismo da cidade das serestas, Conservatória, embalados por belas músicas.

A Fazenda Paraizo, mais completa da época do ciclo do café, que pertenceu ao visconde de Ouro Preto e cenário da mini série da Rede Globo “Um só Coração” também foi visitada pelos excursionistas que ficaram encantados com a beleza natural do lugar. O almoço foi realizado na Fazenda Santo Inácio que primou pela qualidade e atendimento.

A igreja Santa Tereza D’Ávila, localizada na cidade de Rio das Flores, recebeu atenção especial do grupo. Lá, foi batizado o pai da aviação, Santos Dumont.

Fez parte do roteiro, visita à Fazenda Ponte Alta, onde foi servido um jantar à luz de velas, com a presença dos barões de Mambucaba e Piraí.

Fazenda Mulungu Vermelho, localizada na cidade de Vassouras foi o último roteiro visitado pelo grupo que desfrutou de um delicioso almoço no antigo celeiro da fazenda.

O roteiro da excursão foi produzido com o objetivo de proporcionar momentos de entretenimento e cultura para todos os participantes.

A próxima excursão já tem data marcada: Serra Negra, nos dias 15, 16 e 17 e 18 de setembro.