Prefeitura do Rio adia licitação de linhas de VLT

A Prefeitura do Rio de Janeiro adiou indefinidamente a realização da licitação para construção e exploração das linhas de bondes na Zona Portuária. A entrega de propostas para execução dos serviços aconteceria na tarde de terça-feira (29/01), mas, de acordo com a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto, a concorrência teria sido postergada a pedido de empresas interessadas em participar da disputa para que houvesse mais tempo para melhorar as proposições econômicas.

Já a Casa Civil apresenta outro motivo para o adiamento. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, o Tribunal de Contas do Município não teria concluído a análise do edital. Sem o aval do TCM, a prefeitura estaria impedida de realizar a licitação.

Procurado, o TCM ainda não se pronunciou.

O projeto prevê seis linhas de bondes que circularão no Centro e na Zona Portuária, com 28 quilômetros de trilhos e 42 estações, com uso do Bilhete Único Carioca. As composições serão refrigeradas e poderão transportar até 450 passageiros. Pelo cronograma original das obras, a Avenida Rio Branco deveria ser interditada no segundo trimestre deste ano.

Dois desses trajetos passarão pela Rio Branco, ligando a Avenida Presidente Antônio Carlos à Central do Brasil e à Rodoviária Novo Rio. Com os bondes ali, a Rio Branco será fechada entre a Avenida Nilo Peçanha e a Rua Santa Luzia – mas só depois da implantação do Transbrasil, o corredor exclusivo de ônibus entre Deodoro e o Centro.

Só na Rio Branco, trafegam 146 linhas de ônibus, com mais de 22,1 milhões de passageiros por mês. A sua interdição permanente retiraria dali cerca de 2.100 coletivos de uma só tacada.

Os outros quatro trajetos de bonde serão Central-Aeroporto Santos Dumont (via Saara), Central-Praça Mauá, Central-Rodoviária e Rodoviária-Praça Mauá. Orçado em R$ 1,1 bilhão e com R$ 500 milhões do governo federal, o projeto foi elaborado pelo Grupo CCR, controlador da Ponte Rio-Niterói, da Via Lagos e das barcas – que terá uma estação de bonde na sua porta, na Praça XV.

RF  A assessoria de imprensa do projeto Porto Maravilha informou à Revista Ferroviária que a nova data de entrega das propostas será anunciada após aprovação do edital pelo Tribunal de Contas do Município.

Fonte: Revista Ferroviária, 31/01/2013

As ferrovias brasileiras em pauta na Exporail no México

O presidente-executivo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF), Rodrigo Vilaça, foi um dos palestrantes da EXPORAIL 2013 e da XII Exibição e Reunião Internacional de Negócios da Indústria Ferroviária, realizadas no México, de 27 a 29 de janeiro de 2013.

Em sua apresentação, no painel Ferrocarriles de Carga em América, Vilaça falou sobre o cenário atual das ferrovias no Brasil, as perspectivas para 2013 e os principais planos e programas do governo federal para o setor. Desde a concessão das ferrovias para iniciativa privada, em 1997, até 2011, a movimentação de cargas pelo modal saltou de 253,3 milhões de toneladas, para 475 milhões de toneladas no período – o que corresponde a um crescimento de 87,6%.

Outro destaque foram os investimentos. Em 15 anos as concessionárias aplicaram mais de 28,58 bilhões na recuperação da malha, adoção de novas tecnologias, capacitação profissional, segurança nas operações ferroviárias e aquisição e reforma de locomotivas e vagões.  Apesar de todos os esforços das concessionárias na revitalização do setor ferroviário, é urgente a necessidade de investimentos na expansão da malha. Para tentar solucionar o problema, destacou Vilaça em sua apresentação, o governo federal desenvolveu um plano específico para rodovias e ferrovias, lançado em agosto de 2012, que prevê a ampliação da malha ferroviária em mais 10 mil quilômetros.

Também estavam presentes como painelistas no evento representantes da BNSF Railway Co., Canadian Pacific, Asociacion Latinoamericano de Ferrocarriles (ALAF) e entidades representantes do setor ferroviário mexicano. As concessionárias mexicanas – Ferromex/Ferrosur, KCSM, Ferrovalle e Ferroistmo  acreditam que as perspectivas para 2013 são positivas e apostam em um aumento significativo na participação ferroviária do transporte terrestre de cargas. “Em todos os programas de investimentos apresentados para 2013 pelas concessionárias a ampliação e o investimento em melhorias da infraestrutura ganharam destaque, com previsão de aumento nos orçamentos para obras”, afirmou Vilaça.

A ANTF vem buscando cada vez mais a integração com entidades regionais e internacionais do setor ferroviário de cargas. Segundo Vilaça, o objetivo é aumentar o intercâmbio de experiências com empresas estrangeiras. “A ANTF pretende realizar mais acordos de cooperação técnica que promovam, trocas de dados e estatísticas (benchmarking) e a realização de estudos que permitam a disseminação de novidades em todos os âmbitos do setor ferroviário. O nosso objetivo é aumentar a produtividade nacional, promovendo o desenvolvimento e a expansão das malhas ferroviárias em todo o continente americano”, afirmou  Vilaça.

Fonte: ANTF, 30/01/2013

Estado do RJ muda projeto do metrô em Ipanema

Cercado de polêmica, o projeto de construção da estação de metrô da Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, sofreu modificações que, na versão final, vão alterar a circulação de usuários no bairro. As entradas foram mantidas fora dos limites das grades. Mas os dois acessos, que inicialmente ficariam ao lado dos portões das ruas Barão da Torre e Visconde de Pirajá, foram deslocados. Com as mudanças, eles ficarão nas esquinas da Visconde de Pirajá com as ruas Maria Quitéria e Joana Angélica. As alterações também melhoraram o destino da árvore mais antiga da praça: uma figueira de 12 metros de altura e quase um século de idade, que estava condenada pelas obras — pois não poderia ser replantada — não será mais removida.

A necessidade de retirar outras árvores da praça, porém, continua. Mas, em lugar de 113 espécimes do projeto original, agora serão removidas 77, que serão replantadas no mesmo local após as obras. O pequeno lago da praça também será poupado.

Apesar da mudança, polêmica continua

As alterações no projeto, no entanto, não foram suficientes para acabar com a polêmica no bairro. A presidente da Associação de Moradores de Ipanema, Maria Amélia Fernandes Loureiro, que já era favorável à versão anterior do projeto, elogiou as mudanças. Mas a coordenadora do Projeto de Segurança de Ipanema, Ignez Barreto, voltou a defender ontem que as estações sejam retiradas de vez dos limites da Praça Nossa Senhora da Paz.

— A nova proposta é melhor, porque as entradas ficarão mais afastadas dos portões da praça. Isso ajudará na organização da circulação de pedestres no entorno. A chegada dos usuários do metrô será mais dispersa, facilitando o deslocamento daqueles que querem aproveitar a Praça Nossa Senhora da Paz como área de lazer — disse Maria Amélia.

Ela acrescentou, no entanto, que a entidade continuará a brigar para que, no futuro, o governo do estado invista na ampliação de outras ligações de metrô entre Barra e Zona Sul. No projeto da Linha 4 (Jardim Oceânico-General Osório), a estação Gávea foi projetada em dois níveis, para permitir a implantação de linhas independentes em direção ao Centro, passando por Jardim Botânico e Humaitá. Mas ainda não há data para saírem do papel.

Ignez Barreto, por sua vez, reclama que a principal demanda da entidade não foi atendida: transferir os acessos para o outro lado da Rua Visconde de Pirajá.

— A expectativa é que 47 mil pessoas usem a estação diariamente. Mesmo com as mudanças, os acessos do metrô ficarão próximos a duas entradas secundárias da praça. Ou seja, muita gente continuará a usar a praça apenas de passagem, interferindo na qualidade da Nossa Senhora da Paz como área de lazer — disse Ignez.

A coordenadora do Projeto Segurança de Ipanema lembrou ainda que um grupo de moradores entrou na Justiça contra o método adotado pelo estado para construir a estação. Eles são contra também a remoção de árvores, mesmo que de forma provisória. No fim do ano passado, chegaram a conseguir uma liminar para paralisar as obras, mas o governo do estado recorreu à presidência do Tribunal de Justiça (TJ). O estado afirmou ontem que a liminar foi parcialmente revogada e que o TJ autorizou as obras, desde que elas não impeçam uma perícia judicial na área.

O subsecretário da Casa Civil, Rodrigo Vieira, explicou que a concepção inicial da entrada das estações tomava como base uma proposta conceitual. Ao detalhar os projetos, o Consórcio Rio-Barra reorganizou as áreas técnicas da estação. Isso permitiu reduzir em 860 metros quadrados (15% do total) a área a ser escavada na praça.

Rodrigo disse que o prazo para a conclusão das seis novas estações do metrô (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental, Praça Nossa Senhora da Paz e Jardim de Alah) está mantido para dezembro de 2015. Nos primeiros meses de 2016, os trens começam a operar em fase experimental. O compromisso de iniciar a operação comercial em meados do mesmo ano, antes dos Jogos Olímpicos (que serão em agosto), não foi alterado.

No caso da estação da Gávea, o projeto entra numa nova fase a partir de segunda-feira. Técnicos do consórcio começam a vistoriar os imóveis no entorno da futura estação. Entre os prédios que serão inspecionados, está o conjunto Marquês de São Vicente (Minhocão).

Os primeiros a serem visitados são os da Travessa Madre Jacinta. A expectativa é que as escavações não causem danos ao entorno, mas as inspeções permitirão comparar as condições dos móveis antes e depois das obras do metrô.

As intervenções no bairro terão dois canteiros. O primeiro, para abrir uma nova frente de escavações dos túneis que ligarão a Zona Sul ao Jardim Oceânico, fica no campo de futebol da PUC e já começou a ser instalado. O segundo, para construção da estação no estacionamento da PUC, só será implantado no segundo semestre deste ano. Antes disso, o consórcio construirá uma nova sede para a incubadora de empresas da PUC, já que as instalações atuais terão que ser demolidas por causa das obras.

Fonte: O Globo, 27/01/2013

Ferrovia que ligará Estado ao Rio pode ser estendida para Linhares

O Vice-governador Givaldo Vieira esteve reunido com o presidente da Empresa Brasileira de Logística (EBL), Bernardo Figueiredo, em Brasília (DF), para discutir à concessão e construção da ferrovia Vitória-Rio de Janeiro. Entre os pedidos apresentados, está a extensão da via até o município de Linhares, no norte do Estado.
Além disso, Givaldo sugeriu que fossem incluídos no projeto a implantação de bifurcação da ferrovia para o Espírito Santo antes da linha chegar em Campos; acessos aos portos e terminais capixabas (não só os que já estão implantados, mas também os nove portos autorizados pela Presidenta Dilma); implantação de malha mista no Espírito Santo, com o objetivo de integrar a malha existente, uma vez que o Estado não possui linhas férreas com bitola larga, modalidade prevista para a nova ferrovia.
Givaldo disse que além de garantir a ligação do Espírito Santo com a malha ferroviária do país, a linha férrea contribuirá para alavancar a economia dos municípios que serão cortados por ela ou terão proximidade. Segundo o vice-governador, o objetivo é intervir e acompanhar de perto todos os processos de estudos e projetos de traçado para que a nova ferrovia atenda aos interesses dos capixabas.
“Considero estratégica esta concessão, uma vez que vai alavancar a nossa economia e nos dará a oportunidade de escoar a produção da região centro-oeste do país para os portos capixabas . O projeto vai potencializar nossa logística portuária, que está sendo modernizada e ampliada. A ligação com o Rio de Janeiro também nos colocará em comunicação com outra ferrovia de São Paulo. Futuramente isto permitirá escoar nossa produção para um grande mercado consumidor, que é o estado paulista”, antecipa.
O grupo capixaba saiu da reunião muito confiante e agora aguarda um novo encontro da EBL com os integrantes do Proedes e equipes de Governo. Assim que retornar para o Espírito Santo, o vice-governador levará a pauta ao conhecimento do governador Renato Casagrande. Em seguida será formalizada uma manifestação do governo Capixaba com os pleitos apresentados, para encaminhamento à presidenta Dilma.
Vitória-RJ
Atualmente o projeto da linha ferroviária que liga o Espírito Santo ao Rio de Janeiro encontra-se na fase de estudos ambientais e opções de traçados tanto no trecho de Vitória ao Rio de Janeiro, quanto de Mato Grosso até Campos, onde as ferrovias se encontram. A expectativa é que em março sejam iniciadas as audiências públicas para apresentação destes estudos e que o edital para concessão seja lançado em maio, para assinatura dos contratos no mês de junho. Minério, produtos agrícolas (grãos principalmente), rochas ornamentais e cargas conteinerizadas deverão liderar a lista dos produtos que serão transportados pela ferrovia.
Fonte:R7, 28/01/2013

Faleceu o engenheiro Américo Maia

É com muito pesar que a AENFER informa que o engenheiro Américo Maia Vasconcellos Neto faleceu no dia de ontem (29/01/2013).  Américo Maia era ex-presidente da CBTU, ex- diretor da RFFSA e associado da AENFER .

Brilhante profissional, Américo Maia teve uma carreira admirada e respeitada por muitos colegas. Em 2002, o engenheiro foi homenageado na AENFER com a Condecoração Engenheiro Paulo de Frontin, prêmio dedicado aos profissionais que trabalharam ou trabalham em favor da ferrovia. Ele deixou registrado um depoimento no dia 18 de outubro de 2006 ao participar do projeto História Oral, que tem como objetivo resgatar a história de profissionais da área ferroviária. Com uma gravação que durou mais de duas horas, Américo Maia falou de suas experiências e desafios. Lembrou que chegou a ser expulso de uma reunião de trabalho por defender o cumprimento integral de qualidade dos trabalhadores. Com essa atitude, perdeu o emprego. Disse que recebeu missões importantes e difíceis na época em que era diretor da extinta RFFSA. Uma delas foi coordenar a Política de Controle de Processos de Automoção no Ministério dos Transportes, época do governo Figueiredo. Em prosseguimento ao seu depoimento, fez questão de registrar que durante sua trajetória ganhou amigos importantes.  Naquele dia, muitos deles compareceram à gravação e tiveram a chance de também deixar registrado o carinho e respeito por esse profissional que nos deixou. Para o ex-presidente da AENFER Agostinho Coelho Silva, Trabalhar com o engenheiro Américo Maia foi um privilégio. Ser chefiado por ele foi uma honra.

Consternados com a perda, vários amigos deixaram registrados esse momento de dor.

Considero uma grande perda, pois eu lhe dedicava, e era correspondido, uma grande amizade e agradecimentos pela sua defesa a meu favor quando estive em grandes apuros, por ocasião da minha passagem pela Superintendência Regional Salvador!.

Afetuoso abraço do Eng. Walter Gêd  – ex-presidente da AEAG

Lamento profundamente o falecimento do Dr. Américo. O ano de 2013 começou mau com a perda desse grande ferroviário e meu mentor pessoal, que junto com o Dr. Fernando Limeira foram porta-vozes dos convites para que eu assumisse cargos tanto na RFFSA quanto na CBTU, respectivamnete. Terminamos 2012 com a perda do Prof. Victor e começamos 2013 desta forma. Haja coragem para continuarmos a luta dos ferroviários, modo de transporte que ainda não alcançou seu lugar na fatia de repartição intermodal de transportes do BRASIL.

Meus sentimentos sinceros à familia do Dr. Américo

Atenciosamente,

Eng. Sergio Iaccarino – Especialista em Infraestrutra Sênior

Secretaria de Fomento para as Açoes de Transportes – SFAT

Departamento da Marinha Mercante – DMM

Infraestrutura do país precisa de R$ 200 bi até 2020

As melhorias em infraestrutura necessárias para acompanhar o crescimento do país nos próximos vão requerer cerca de R$ 200 bilhões até 2020, segundo estimativa do secretário de Política Nacional de Transportes do Ministério dos Transportes, Marcelo Perrupato. De acordo com ele, os investimentos devem fazer parte de planejamento estratégico de longo prazo. “Será possível chegar a esse valor. O Plano de Investimentos em Logística [lançado pelo governo federal em agosto de 2012] já prevê boa parte desses investimentos”, lembrou Perrupato, ao participar do InfraBrasil Summit, evento em São Paulo que discute o setor de infraestrutura.

O plano do governo federal previu um pacote de concessões de rodovias e ferrovias com investimento de R$ 133 bilhões ao longo de 30 anos — sendo R$ 79,5 bilhões nos cinco primeiros anos. Ao todo, o plano prevê duplicar 7,5 mil quilômetros de rodovias e construir 10 mil quilômetros de ferrovias, em parceria com empresas do setor privado por meio de concessões.

Perrupato reforça que o plano voltou a dar peso ao setor ferroviário. “Mesmo avançando lentamente as ferrovias já representam 30% da matriz de transportes brasileira”, diz. Ele lembra que historicamente os investimentos do Ministério dos Transportes ficaram concentrados no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pela construção e manutenção de rodovias e que teve seus recursos multiplicados por dez nos últimos dez anos. Em 2003 o órgão recebeu R$ 2,5 bilhões, enquanto em 2013 os recursos previstos chegam a R$ 25 bilhões. “Esse aumento teve dificuldades de ser revertido em obras entregues, pois havia despreparo das construtoras, da mão de obra e do próprio órgão que ganhou maior montante para executar obras, mas continuou praticamente com o mesmo número de funcionários.”

Outro desafio com o aumento dos investimentos, segundo o secretário de Política Nacional de Transportes do Ministério dos Transportes, é executar os recursos previstos. “No ano passado o DNIT executou de 85% a 90% dos R$ 18 bilhões que estavam previstos”, diz. Perrupato recorda quem em 2012 tanto o DNIT quanto a Valec, que executam as obras de rodovias e ferrovias, respectivamente, foram alvo de denúncias de irregularidades que levaram à troca de comando dos órgãos.

Fonte: Valor Econômico, 28/01/2013

Gratuidade nos trens para integrantes no carnaval

Integrantes das escolas de samba Grande Rio, Imperatriz Leopoldinense, Mocidade Independente de Padre Miguel, Inocentes de Belford Roxo e Mangueira terão a ida e volta para os desfiles do Carnaval 2013 garantidos pela SuperVia. A concessionária, que tem estações próximas às quadras das Escolas, firmou parceria com as agremiações para viabilizar o deslocamento dos componentes nos dias 10 e 11, datas dos desfiles do Grupo Especial.

Cada uma das Escolas receberá dois mil bilhetes para a ida e outros dois mil para a volta dos desfiles. Os trens, todos com ar-condicionado, deixarão as estações de origem das escolas e o desembarque acontecerá na estação Central do Brasil. A SuperVia reforçará a segurança nas estações e terá também equipes de limpeza trabalhando durante a festa.

O diretor de Carnaval e Harmonia da Acadêmicos do Grande Rio, Tavinho Novello, ressalta a ligação da população de Duque de Caxias com os trens do Rio de Janeiro. “Essa iniciativa da SuperVia é fantástica e muito bem vinda, principalmente para nós de Duque de Caxias. A Grande Rio se sente muito feliz e honrada por representar uma comunidade que diariamente usa o trem para se deslocar pela cidade. Nota 10 para essa parceria!”, comemora Tavinho.

A garantia do deslocamento gratuito dos integrantes no dia do desfile também foi bem recebida pela Inocentes de Belford Roxo. “Desde o momento do embarque, os componentes já poderão ensaiar e isso será importante para integrar a escola. Vai ser muito divertido, rápido e confortável. Acolhemos com muita alegria essa parceria com a SuperVia”, diz o gerente de Carnaval da escola, Pedro Aridio. Trens funcionarão durante madrugada no Carnaval

Ainda durante os dias de Carnaval, a SuperVia também disponibilizará trens extras para atender aos foliões. Entre sábado (09/02) e segunda-feira (11/02), os ramais Japeri, Santa Cruz, Belford Roxo e Saracuruna contarão com 54 viagens adicionais com partidas da estação Central do Brasil a cada duas horas durante a madrugada.

Já na terça-feira (12/02), os trens irão circular de acordo com a grade horária dos dias de domingo, com intervalos maiores e trens paradores em todos os ramais. Na quarta-feira de cinzas (13/02), os trens circularão com intervalos menores no período da manhã, exceto os ramais Campo Grande, Saracuruna, Vila Inhomirim, Guapimirim e Paracambi, que circulam normalmente. As linhas Deodoro, Nova Iguaçu, Queimados, Comendador Soares e Nilópolis não circularão.

Os trens seguirão o cronograma abaixo, disponível para consulta nas estações ou no site www.supervia.com.br. Equipes de atendimento estarão à disposição para orientar os passageiros nas estações. Carnaval na Central A concessionária, que será a transportadora oficial das escolas de samba do grupo especial em 2013, abrirá os festejos de início do Carnaval neste sábado, 2 de fevereiro. O Bloco da SuperVia convida os foliões dos cinco ramais para sambar a partir das 12h, no Carnaval na Central.

A festa será apresentada por David Brazil e contará com show no palco com coreto cenográfico montado na Central do Brasil. De lá, o Bloco da SuperVia, composto por 40 ritmistas – sendo 10 deles funcionários – seguirá pela Rua Bento Ribeiro até a chegar à Praça Cristiano Otoni, onde o desfile será encerrado. Em seguida, a banda Bala de Coco faz o último show da noite.

O trajeto no quarteirão da Central do Brasil será animado por carro abre-alas, passistas, pernas de pau fantasiados de trem, porta estandarte e relembrará sambas enredo de sucesso e a marchinha da SuperVia. Idealizado pelo carnavalesco Milton Cunha, o bloco terá a musa da Vila Isabel Quitéria Chagas como rainha de bateria.

Ingressos para os desfiles do Grupo de Acesso

A SuperVia fez uma parceria com a Lierj (Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro) e vai oferecer aos passageiros de trem, na hora de carregar o cartão Multipass, um total de quatro mil ingressos para os desfiles das escolas da Série A (antigo Grupo de Acesso), na sexta e no sábado de carnaval (dias 8 e 9 de fevereiro), na Avenida Marquês de Sapucaí.

Cada compra de passagem feita com o Multipass no valor de R$ 30,00 dará direito a duas entradas para o desfile. Serão dois mil ingressos no Setor 4 da Arquibancada, em cada noite de espetáculo da Série A. Os passageiros da SuperVia terão direito de escolher o dia do desfile em que pretendem ir ao Sambódromo. Na primeira noite, sexta-feira, 08/02, desfilarão as escolas: Unidos do Jacarezinho, Unidos do Porto da Pedra, Acadêmicos de Santa Cruz, Unidos da Vila Santa Teresa, União do Parque Curicica, Estácio de Sá, Alegria da Zona Sul, Acadêmicos da Rocinha e Unidos do Viradouro. As escolas da segunda noite serão: União de Jacarepaguá, Paraíso do Tuiuti, Tradição, Império Serrano, Acadêmicos do Cubango, Sereno de Campo Grande, Império da Tijuca e Caprichosos de Pilares. A promoção durará até que se esgotem os ingressos.

Para mais informações, os interessados podem entrar em contato pelo SuperVia Fone: 0800 726 9494.

SERVIÇO Funcionamento dos trens no Carnaval Sábado Domingo Segunda-feira

Japeri

Partidas às 23h, 1h, 3h e 5h Partidas às 23h, 1h, 3h e 5h Partidas às 23h, 1h, 3h e 5h Santa Cruz Partidas às 22h, 0h, 2h e 4h Partidas às 22h, 0h, 2h e 4h Partidas às 22h, 0h, 2h e 4h

Belford Roxo

Partidas às 21h, 23h, 1h, 3h e 5h Partidas às 21h, 23h, 1h, 3h e 5h Partidas às 21h, 23h, 1h, 3h e 5h

Saracuruna

Partidas às 21h15, 23h15, 1h15, 3h15 e 5h15 Partidas às 21h15, 23h15, 1h15, 3h15 e 5h15 Partidas às 21h15, 23h15, 1h15, 3h15 e 5h15

Quarta-feira

Japeri até as 10h – intervalos de 30min. Após este horário, grade de dias úteis

Santa Cruz até as 10h – intervalos de 30min. Após este horário, grade de dias úteis

Belford Roxo até as 10h – intervalos de 30min. Após este horário, grade de dias úteis Gramacho Circulará entre 16h e 21h53

Bangu Circulará entre 16h e 21h

Carnaval na Central

Evento: Carnaval na Central

Local: Estação Central do Brasil

Data: Sábado, 2 de fevereiro

Horário: das 12h às 20h

Entrada gratuita

Metrô Rio lança bilhete temático para o carnaval

O MetrôRio, em parceria com a Secretaria de Transportes e a Associação Independente de Blocos de Carnaval de Rua (Sebastiana), lança este carnaval o Cartão Metrô Folia 2013. O objetivo do novo bilhete, que será comercializado a partir de 1º de fevereiro, é propiciar aos passageiros um embarque mais rápido nos dias de folia. Ele será aceito em todas as estações e no serviço Metrô na Superfície.
Após o uso, o passageiro poderá guardar o cartão como um suvenir do carnaval carioca. A passagem temática, que dará direito a cinco viagens, será vendida nas bilheterias de oito estações (Pavuna, Nova América/Del Castilho, Saens Peña, Central, Carioca, Botafogo, Largo do Machado e Ipanema/General Osório), pelo valor promocional de R$ 15, até 17/2 ou enquanto durarem os estoques. O cartão será válido até 28/2.
No carnaval, as bilheterias permanecerão abertas e serão aceitos todos os tipos de bilhete. O metrô funcionará em esquema especial, sem interrupção, das 5h de sexta-feira (8/2) às 23h de terça-feira (12/2) – com extensão até as 2h de quarta-feira (13/2) nas estações Central, Praça Onze e Ipanema/General Osório. A partir do meio-dia de sábado (9/2), os trens da Linha 2 farão o trajeto direto entre Pavuna e Ipanema/General Osório sem transferência.
A operação especial se repetirá entre as 5h de sábado (16/2) e 23h de domingo (17/2) para atender ao Desfile das Campeãs, no Sambódromo. Em parceria com a Secretaria de Transportes e com a Sebastiana, a concessionária instalará em cinco estações (Ipanema, Carioca, Cinelândia, Uruguaiana e Central), caçambas de coleta seletiva de lixo orgânico e reciclável.
O material será recolhido pela Febracom (Federação das Cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis) e processado pela ONG Doe Seu Lixo, que reaproveitará os resíduos, gerando renda para cerca de 200 catadores que atuam durante os desfiles de blocos.

Fonte: Governo do Estado do Rio de Janeiro, 28/01/2013

Nova etapa das obras do Metrô do Rio é iniciada

O Metrô iniciou nesta sexta-feira (25) mais uma etapa das obras da Linha 4 (Ipanema – Barra da Tijuca) na Zona Sul do Rio. Um canteiro de obras começou a ser instalado no campo de futebol da Pontifícia Universidade Católica (PUC),na Gávea, de onde serão escavados túneis do metrô. Já a Estação Gávea – que será em dois níveis e ficará sob um terreno do governo do estado onde funciona parte do estacionamento da PUC – começará a ser construída no segundo semestre de 2013, conforme informou a assessoria de imprensa da Linha 4 do Metrô. A estação terá dois acessos: um em frente à PUC, na Rua Padre Leonel Franca, e outro na Rua Marquês de São Vicente. Durante todo o período de obra, os acessos à PUC e ao estacionamento da universidade serão preservados. Não haverá fechamento de ruas na Gávea.

Para viabilizar as intervenções dos túneis na Gávea, foi necessário desocupar terrenos do estado no final da Travessa Madre Jacinta, por onde irão circular caminhões com material da obra. No local, havia cinco casas e uma oficina mecânica. De acordo com a assessoria, as famílias foram indenizadas e realocadas.

A instalação do canteiro de obras no campo de futebol da PUC começou em janeiro e será concluída em abril, quando vão começar as escavações do túnel de serviço, que faz parte do sistema de ventilação e também funcionará como saída de emergência. Esse túnel será conectado aos túneis de via, por onde passarão os trens. As intervenções estão previstas para terminar em dezembro de 2015.

Linha 4 do Metrô vai transportar mais de 300 mil passageiros por dia a partir de 2016

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro – que ligará a Barra da Tijuca a Ipanema – vai transportar, a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas, segundo as estimativas da empresa. A previsão é de que cerca de 2 mil veículos por hora/pico sejam retirados das ruas. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa.

Serão seis estações (Nossa Senhora da Paz, Jardim de Alah, Antero de Quental, Gávea, São Conrado e Jardim Oceânico) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão. A Linha 4 do Metrô entra em operação no segundo semestre de 2016, após passar por uma fase de testes.

Com a nova linha, o passageiro poderá seguir, sem baldeação, do Jardim Oceânico, na Barra, à Estação Uruguai, na Tijuca. O trajeto Barra-Ipanema será feito em 15 minutos e o Barra-Tijuca em 50 minutos.

Fonte: G1, 25/01/2013