Treinamento no Metrô para a Copa

RIO – Com o objetivo de fazer uma integração entre as forças que vão atuar na Copa do Mundo, o Centro de Coordenação de Defesa de Área (CCDA-RJ), com apoio dos órgãos de segurança pública, coordenou a simulação de um ataque radiológico na estação do metrô, na Cidade Nova, na manhã deste sábado. Cerca de 270 pessoas, entre civis e militares, participaram do exercício que faz parte dos testes preparatórios de segurança para o mundial.

O major Marcos Ferreira, do Exército, explicou que, durante os jogos, a estrutura montada neste teste será posicionada no entorno do Maracanã para que, em caso de algum incidente, possa ser deslocada com rapidez:

— Nosso objetivo é fornecer uma segurança adequada para que o público possa ir aos estádios assistir aos jogos com tranquilidade — declarou o militar.

O exercício, que começou às 7h50m com a explosão de um artefato radiológico dentro de um trem do metrô, foi conduzido em duas fases. No primeiro momento foi instaurado o gabinete de crise com representantes do Comissão Nacional de Energia Nuclear, Ministério da Defesa, bombeiros e policiais militares e civis para treinar a governança neste tipo de situação. Na segunda etapa, foram feitas as ações táticas na estação, com a participação das Forças Armadas, polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e equipes da Defesa Civil.

O primeiro atendimento aos feridos foi feito por equipes do metrô, três minutos após a explosão do artefato. Treze minutos depois, chegaram mais agentes do metrô, que separaram as vítimas pelo tipo de ferimentos. Às 8h06m, os bombeiros chegaram e isolaram a área. Eles tinham pulseiras nas cores verde, amarela e vermelha para identificar as vítimas de acordo com a gravidade dos ferimentos. Quinze minutos depois, chegaram os agentes do Batalhão de Defesa Química, Radiológica, Biológica e Nuclear para detectar se havia um agente nocivo no local e para fazer a sua identificação.

— Considero que a ação foi um sucesso e que o atendimento foi feito rapidamente. É preciso levar em conta que cada unidade está aquartelada em seu devido local e demora um tempo até a pronta resposta — explicou o o major.

Após o primeiro atendimento na estação de metrô, os feridos foram encaminhados para uma tenda de descontaminação primária que tem como objetivo retirar a maior parte possível do agente contaminador do corpo das vítimas. Em seguida, os participantes do exercício foram deslocados para a tenda de descontaminação total.

— No processo inicial as pessoas passam por um processo de descontaminação primária e por uma triagem para determinar o nível de contaminação. Também é feita uma verificação do estado de saúde das vítimas. Aqueles que estão contaminados são encaminhados para o posto de descontaminação total para que sejam descontaminados — alegou o tenente-coronel Paulo Cabral, responsável pela Defesa Química, Radiológica, Biológica e Nuclear do Centro Tecnológico do Exército.

O militar informou ainda que já foi feito um reconhecimento dos locais que podem vir a ser alvos de ataques terroristas durante a competição esportiva e que já foram analisadas as dificuldades que podem surgir, caso seja necessário montar as tendas de descontaminação. Ele também comunicou que o tempo de montagem dos postos de descontaminação, que demora de 40 minutos a uma hora, não é uma preocupação.

— Antes de ir para as tendas, as vítimas passam por um atendimento inicial que é feito enquanto a instalação dos postos é feita — disse o tenente-coronel.

Apesar de não divulgar o número de barracas de descontaminação que serão montadas na cidade, o tenente-coronel afirmou que o Batalhão de Defesa Química, Radiológica, Biológica e Nuclear do Exército está preparado para a Copa do Mundo.

— Vamos ter cerca de 300 a 400 pessoas trabalhando durante o mundial. Temos estrutura suficiente para atender a qualquer evento — acrescentou Paulo Cabral.

Fonte: O Globo, 01/06/2014

30/05/2014 – Espaço Cultural Carlos Lange de Lima – encontro de amigos

Um grupo de associados da Aenfer descobriu um novo point para tornar o horário do almoço bem mais agradável e alegre: estamos nos referindo ao Espaço Cultural Carlos Lange de Lima, 7º andar pertencente à Associação e local bastante conhecido pelos associados que comparecem às confraternizações de aniversários durante o ano.

Entre uma partida de sinuca e um petisco, organizado pelos próprios associados, eles aproveitaram a ocasião para colocar o papo em dia, num clima descontraído e despretensioso.

O primeiro encontro realizado nessas proporções aconteceu na sexta-feira (30/05) às 12 horas. Após a conversa animada, eles estavam prontos para voltar ao batente.

A ideia, segundo o associado Carlos Van Jr, é tornar mais frequente esses encontros e quem sabe, num futuro bem próximo, uma vez por mês servir de happy hour depois de uma cansativa jornada de trabalho.

Estiveram reunidos com o diretor Financeiro da Aenfer Aldo Paschoal, que abraçou a ideia, os colegas da extinta RFFSA, Leonardo, Claudiney, Rose, Daniel, Van Jr., Claudia e João.

 

    

 

Seminário internacional debate novo modelo

Reunidos em seminário promovido pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL), técnicos do governo brasileiro e especialistas em ferrovias da Espanha, Estados Unidos e Austrália estão debatendo a aplicação à regulamentação do novo modelo de exploração ferroviária no Brasil.

O presidente da EPL, Paulo Sérgio Passos, ao abrir o evento de três dias disse que o Brasil passou décadas sem investir em ferrovias e que estamos no momento de avançar com esse novo modelo aberto de ferrovias (Open Acess). “Precisamos ter um sistema ferroviário operante, moderno e que cumpra o seu papel de transporte eficiente”.

O gerente de serviços logísticos da EPL, Fábio Barbosa, ressaltou a importância do seminário, que permitirá concluir proposta para implementação do modelo de exploração ferroviária que será levada à discussão pública, com a participação de governo, empresas e usuários. Os estudos que foram iniciados em fevereiro pela EPL e Ineco Engenharia e Consultoria do Transporte, e conta com a participação da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e da Valec Engenharia Construções e Ferrovias S/A.

Entre os temas em discussão no seminário estão a gestão da segurança na operação ferroviária; evolução e necessidades de regulação; os modelos verticais baseados na concorrência entre operadores; o transporte ferroviário de cargas nos Estados Unidos; os modelos horizontais (com separação das atividades de gestão da infraestrutura ferroviária e prestação dos serviços); a experiência europeia; a experiência “open access” na Austrália; e a regulação da colocação em serviço do material circulante: requisitos, homologação, interoperabilidade, autorizações.

Ferrovia Norte-Sul

No último dia 22 de maio, a presidenta Dilma Rousseff entregou trecho de 855 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul, que liga as cidades de Anápolis (GO) e Porto Nacional (TO). Concebida sob o propósito de interligar a malha ferroviária e diminuir custos de transporte, a Norte-Sul terá a extensão de 4.155,6 quilômetros e interligará dez estados do território nacional.

Alvo de R$ 4,2 bilhões em investimentos previstos pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Norte-Sul passará a ser ferrovia estruturadora do Sistema Ferroviário Nacional, ao proporcionar acesso de produtores a vários portos e corredores de exportação. Também irá estimular a competitividade intramodal, não só entre os portos, mas também entre os operadores logísticos que realizarão o transporte da carga.

“Dizem que demorou 27 anos. É verdade, mas vou dizer o seguinte: demorava 27 anos. Hoje não demora mais. Quero dizer a vocês, que foi um grande esforço em 2007 dar início ao trecho Araguaína-Palmas, porque o governo federal ainda não tinha os recursos todos disponíveis. E nós fomos fazendo, e fomos também aprendendo enquanto fazíamos, porque o Brasil tinha parado de investir durante muito tempo”, afirmou a presidenta.

Entre os benefícios do empreendimento estão a significativa redução do custo do transporte de carga, do consumo de combustível e do índice de acidentes nas estradas, já que grande parte da carga escoada atualmente pelas rodovias poderá ser transportada pela Ferrovia Norte-Sul.

Fonte: Portal Brasil, 29/05/2014

Lote para estudos de trechos ferroviários sai até junho

O ministro dos Transportes César Borges, disse nesta quinta-feira, 29, que o governo deve lançar até dia 10 de junho um novo lote para a contratação de estudos de engenharia de trechos ferroviários do Programa de Investimentos em Logística (PIL), que podem incluir parte da ferrovia norte-sul nos Estados da região Sul do País. De acordo com ele, a intenção do governo é soltar até três lotes para a contratação de novos estudos ainda este ano.

Além disso, Borges revelou que, devido ao interesse de investidores na ferrovia Rio-Vitória, esse deverá ser um dos próximos trechos a serem licitados pelo governo logo após a concessão da ferrovia entre Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO). O ministro, no entanto, não deu um prazo para que ocorram esses leilões.

“Temos um grupo interessado no trecho Rio-Vitória que inclusive já avançou no projeto de engenharia. Vamos olhar esse projeto e, se for bom, vamos submetê-lo ao TCU (Tribunal de Contas da União) para depois levarmos à disputa por quem quiser no leilão”, disse o ministro.

De acordo com o ministro, apesar de parte desses trechos não ter sido incluída no primeiro anúncio do PIL, todos farão parte do programa. Ele citou também interesse de grupos privados no trecho entre Maracaju (MS) e Paranaguá (PR). “O programa só vai andar se tivermos interessados porque não vamos fazer esses trechos com obras públicas. Estamos considerando tudo que for investimento em logística como parte do PIL”, completou o ministro.

Sobre a Ferrovia Norte-Sul, Borges disse esperar que a interligação com a região Sul do País facilite o transporte de grãos do Centro-oeste para os produtores de proteína animal no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Segundo ele, assim que forem contratados os estudos de engenharia para esses trechos, o prazo para apresentação dos projetos é de seis a oito meses.

Borges esteve reunido com o secretário de Transportes dos Estados Unidos, Anthony Foxx, na tarde hoje para tratar da formação de grupos de estudos de cooperação técnica entre os dois países na área. O secretário americano não deu declarações à imprensa.

Fonte: Agência Estado, 29/05/2014

Brasil terá mais 330 km de trilhos

O setor metroferroviário registrou crescimento de 8% na quantidade de passageiros entre 2012 e 2013. Os investimentos na malha, contudo, não avançaram na proporção adequada para atender ao incremento na demanda: a ampliação, no período, foi de apenas 0,5%. Os dados fazem parte do balanço do setor, divulgado nesta terça-feira (20) pela Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos).

Segundo o presidente da entidade, Joubert Flores, o incremento no total de usuários do sistema cresce principalmente porque o modal se torna uma alternativa aos engarrafamentos e à dificuldade para estacionar os carros. Isso também tem exigido mais capacidade do sistema. Mas reforça a necessidade de se viabilizar a expansão da malha: “ainda temos capacidade. Mas o contínuo crescimento da demanda exige expansão da malha. Caso isso não ocorra, vamos saturar e inviabilizar o metrô. As pessoas podem deixar de usar porque estará cheio demais. Às vezes, com um crescimento de 3%, você consegue atender porque o sistema é de alta capacidade”, sustenta.

O setor transporta 9,3 milhões de passageiros diariamente em todo o Brasil e a malha não chega a 960 km de extensão no país. Somente a cidade de Londres, por exemplo, tem mais de 400 km para atender a seus nove milhões de habitantes.

A expectativa é que, em até seis anos, mais 331 km de ferrovias estejam finalizados para ampliar a capacidade do metrô. Os projetos já estão contratados ou em execução. A maior parte está concentrada em São Paulo e no Rio de Janeiro. Mas também serão contemplados Minas Gerais, Mato Grosso, Ceará, Bahia, Goiás e Pernambuco. Isso representará aumento de 34% na atual estrutura disponível. Os investimentos somam R$ 58 bilhões num total de 25 projetos.

Além disso, há outras 20 ações prontas para serem implementadas, que poderiam aumentar a malha metroferroviária em 1,8 mil km de extensão.

Cinco ações que estavam previstas para a Copa do Mundo não ficaram prontas a tempo. Joubert Flores explica que alguns fatores reduzem a agilidade das obras, entre os quais o acesso a financiamento, a demora e o custo para obtenção de licenças ambientais. “Não vejo a demora como problema. O problema seria não levar os projetos adiante. Mas esses estão em execução e alguns, em menos de cinco anos, serão entregues à população”, sustenta.

BENEFÍCIOS DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS SOBRE TRILHOS

Atualmente, o sistema sobre trilhos responde por 3,8% do transporte de passageiros nas cidades. O ônibus equivale a 25% e o individualizado a quase 40%.

Enquanto isso, o metrô tem até 60% menos impactos ambientais que os carros e 40% menos que os ônibus, em razão da menor emissão de gases poluentes, já que a tração é elétrica. Segundo dados da ANPTrilhos, o segmento consome 0,4% da energia elétrica produzida no Brasil. Os metrôs, além disso, ocupam 20% menos espaço que outras opções nos deslocamentos urbanos devido à alta capacidade (até 80 mil passageiros por hora em cada sentido). Esses benefícios, para Flores, justificam os altos investimentos exigidos pelo modelo. Um quilômetro de uma linha de metrô pode custar até US$ 200 milhões.

O presidente da entidade também reconhece a necessidade de se investir na renovação da frota. “Quase 80% da energia consumida é para tração dos trens, que estão, na maioria, com tecnologia defasada. Hoje há opções que consomem até 30% menos energia que as frotas tradicionais”.

DESAFIOS

Além da ampliação da malha, os operadores metroferroviários brasileiros elencaram medidas consideradas essenciais para melhorar o serviço prestado e reduzir as tarifas. Entre elas estão a ampliação das linhas, redução da tarifa de energia elétrica para o setor, desoneração de impostos como ICMS e ISS, desoneração da folha de pagamento e isenção do IPTU pago sobre as estações e vias férreas.

Fonte: Ronda do MS – Campo Grande/MS – NOTÍCIAS – 25/05/2014

SuperVia inaugura quinto trem nacional

A SuperVia inaugurou ontem (27/05), na estação Central do Brasil, o quinto trem nacional comprado pela concessionária. O evento contou com a presença do presidente da empresa, Carlos José Cunha, e da secretária estadual de Transportes, Tatiana Vaz Carius. A composição integra a compra de 80 novos carros nacionais antecipada em quatro anos pela concessionária, e que, segundo a SuperVia, estará completa em setembro.

As composições adquiridas têm oito carros, ar-condicionado, passagem interna entre os carros, sistema que não permite a abertura de portas durante as viagens, circuito interno de câmeras, painéis de LED e capacidade de transportar até 2.400 passageiros. O trem circulará durante uma semana em operação assistida no ramal Deodoro, entre 10h e 15h.

A renovação da frota da SuperVia foi iniciada em 2012, quando o Governo do Estado entregou 120 carros chineses, que estão em circulação, e realizou a compra de mais 240 carros. O primeiro deles foi entregue semana passada, e segundo a SuperVia, devem iniciar seus testes operacionais nas próximas semanas.

Fonte: Revista Ferroviária, 28/05/2014

Novo bonde de Santa Teresa faz primeiro teste no interior do estado

RIO – Os primeiros testes do bonde de Santa Teresa começaram nesta terça-feira, na sede da empresa T’Trans, em Três Rios, na Região Centro-Sul Fluminense. Mas o primeiro dos 14 bondes começará a circular em caráter experimental nas ruas do bairro apenas em agosto. O atraso na entrega do novo sistema de bondes, cujo prazo era junho — portanto, antes da Copa —, é atribuído pelo governo do estado a obras de concessionárias como CEG e Cedae ao longo do percurso, e à execução de reformas que precisavam de autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como as nos Arcos da Lapa.

Inicialmente, os bondes percorrerão um pequeno trecho entre a Rua Francisco Muratori e o Largo do Curvelo. Todo o sistema custará R$ 110 milhões, e a expectativa do governo é que oito bondes entrem em operação ainda este ano. O projeto foi aprovado pelo Iphan e o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac).

O novo bondinho tem as mesmas medidas do transporte original: 8,5 metros de comprimento e 2,20 metros de largura. Com capacidade para 32 pessoas sentadas em bancos de madeira, ele é amarelo, com detalhes em azul, e mantém os corações vermelhos nas laterais do modelo anterior. As semelhanças, no entanto, param aí. O novo bonde é feito em aço revestido por fibra de vidro, e só permite a entrada de passageiros por um lado.

O sistema de tração é refrigerado a água, o que deixa o veículo mais leve, com 10,6 toneladas. O sistema de frenagem possui quatro redundâncias, o dobro do antigo, garantindo ao transporte um freio mais potente, segundo o engenheiro Umberto Giavina, da T’Trans. Na cabine de controle, a manivela foi substituída por um manipulador, que dá mais dinamismo ao veículo. O motorneiro poderá ficar sentado no centro da cabine.

O novo bondinho também será equipado com retrovisores, iluminação a LED, GPS e quatro câmeras, monitoradas por um centro de operações, que possivelmente funcionará na Estação Carioca. O estribo é retrátil e só será acionado no embarque e desembarque de passageiros. Desta forma, não haverá possibilidade de passageiros viajarem em pé. Cortinas de plástico transparente foram instaladas nas janelas como proteção para os dias de chuva.

— Os motorneiros já estão sendo treinados para operar o novo bonde. Também estamos estudando o modelo de tarifa que será implantado. Nossa ideia é que os moradores paguem um valor menor do que os turistas — disse o secretário estadual da Casa Civil, Leonardo Espíndola.

No teste, o bondinho percorreu uma distância de 15 metros sem conexão com a rede área, e sim movido por cabos elétricos.

O jornalista Jacques Schwarzstein, diretor de transportes da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast), diz que se for mantido o ritmo atual das obras, o governo do estado só entregará o sistema totalmente revitalizado em quatro anos e meio.

— Quando as obras começaram, em dezembro de 2013, a promessa era que o primeiro trecho, dos Arcos da Lapa ao Curvelo, seria entregue em março. Passados seis meses, só terminaram o lado de subida da Rua Joaquim Murtinho. São graves as falhas de planejamento — diz.

Moradores criticam demora

Com um mapa do traçado do bondinho nas mãos, o jornalista Jacques Schwarzstein, diretor de transportes da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast), faz as contas: no ritmo atual, o governo do estado só entregaria o sistema totalmente revitalizado em quatro anos e meio.

— Quando as obras começaram, em dezembro de 2013, a promessa era que o primeiro trecho, dos Arcos da Lapa ao Curvelo, seria entregue em março. Passados seis meses, só terminaram o lado de subida da Rua Joaquim Murtinho. São graves as falhas de planejamento — diz.

A babá Márcia da Silva Lima, que mora e trabalha na Joaquim Murtinho, diz que não aguenta mais o bate-estacas. Sentimento compartilhado por muitos moradores do local.

— O acesso está muito comprometido. A gente fica desanimada até de sair de casa.

Fonte: O Globo on line, 27/05/2014


 

A AENFER comunica o falecimento do presidente da CBTU

Com grande pesar comunicamos o falecimento do diretor-presidente da CBTU, Francisco Carlos Caballero Colombo ocorrido hoje, dia 27 de maio de 2014.

O velório está sendo realizado Hospital Israelita Albert Einstein nº627/701 – Jardim Leonor, São Paulo – SP. O sepultamento está previsto para as 17 horas, no Cemitério do Araçá, localizado na Av. Doutor Arnaldo nº 666, Cerqueira César, São Paulo – SP.

Os empregados da CBTU prestam sinceras condolências e solidariedade aos familiares pela inestimável perda.

Seminário: Sistemas Inteligentes de Transportes

Será realizado no Rio de Janeiro o “5º Seminário Sistemas Inteligentes de Transportes” nos dias 28 e 29 de maio. Em sua quinta edição, o evento, promovido pela Planeja & Infoma Comunicação e Marketing, vai apresentar, debater e difundir experiências e novas tecnologias que possam ser aplicadas na melhoria da mobilidade urbana e da qualidade do transporte de passageiros, de cargas e nas estradas do país.

O objetivo é reunir executivos, técnicos, analistas e engenheiros do DENATRAN, DETRAN, Companhias de Engenharia de Trânsito dos municípios, ANTT, Fetranspor, Ministério dos Transportes, Cidade, Ciência e Tecnologia, Secretarias (Municipais e Estaduais), Órgãos do Governo, Seguradoras, Transportadoras, Empresas de ônibus, Empresas de logística, Concessionárias rodoviárias e metroferroviárias, fornecedores e integradores de tecnologia, equipamentos e sistemas.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo email inscricao.planeja@gmail.com , além dos telefones (21) 2262-9401 / 2215-2245. Mais informações no blog http://planejabrasil.wordpress.com/