Trens e barcas: tarifas sobem em janeiro

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários, Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) autorizou, com base nos contratos de concessão, reajustes tarifários das barcas e trens. A CCR Barcas está autorizada a praticar a tarifa no valor de R$ 5. A Supervia poderá cobrar R$ 3,30 pela passagem. A decisão foi tomada na sessão regulatória realizada no dia 18 de dezembro.

O conselho diretor da agência reguladora homologou reajuste de 5,75% (IPCA) para tarifa das linhas sociais de barcas e de 3,66% (IGP-M) para a tarifa dos trens.

Segundo a Agetransp, para a base do reajuste da tarifa aquaviária de equilíbrio foi considerada a tarifa de R$ 4,7556, homologada no reajuste anterior, sobre a qual foi aplicado o índice de 5,75%, referente à variação do IPCA (índice de inflação calculado pelo IBGE) entre fevereiro de 2014 e fevereiro de 2015 (projetado), conforme previsto em contrato. O valor da tarifa reajustada chegou a R$ 5,0290.

De acordo com cláusulas contratuais de arredondamento, a concessionária ficou autorizada a passar o valor dos atuais R$ 4,80 para R$ 5,00. A nova tarifa pode ser praticada a partir do dia 12 de fevereiro, desde que os usuários sejam informados com pelo menos 30 dias de antecedência.

Para a base do reajuste da tarifa ferroviária de equilíbrio, foi considerada a tarifa de R$ 3,1785, homologada no reajuste anterior, sobre a qual foi aplicado o índice de 3,66%, referente à variação do IGP-M (índice de inflação calculado pela Fundação Getúlio Vargas) entre novembro de 2013 e novembro de 2014, conforme previsto em contrato. O valor da tarifa reajustada chegou a R$ 3,2948.

Segundo as cláusulas contratuais de arredondamento, a concessionária fica autorizada a passar o valor dos atuais R$ 3,20 para R$ 3,30. A nova tarifa pode ser praticada a partir do dia 2 de fevereiro, desde que os usuários sejam informados com pelo menos 30 dias de antecedência.

Fonte: G1, 30/12/2014

 

Vila ferroviária: opção de passeio para as férias

Paranapiacaba (SP) é uma ótima opção de passeio para o período de férias para os moradores da região. Localizada a cerca de 30 km do Centro de Santo André, a Vila ferroviária construída por uma companhia inglesa no fim do século 19, é considerada patrimônio histórico nacional e oferece série de atividades relacionadas ao turismo cultural e ambiental.

vila-de-paranapiacaba

Entre as atrações estão o Circuito Museológico na Parte Baixa, com o Museu Castelo (Rua Caminho do Mendes, s/nº – ingresso R$ 3,00), que resgata a história da Vila e da ferrovia, o CDARQ (Centro de Documentação de Arquitetura e Urbanismo), o Antigo Mercado (Rua Campos Salles, s/nº) e o Clube União Lyra Serrano (Avenida Antonio Olyntho, s/nº), onde eram realizados bailes e shows, entre outras atividades. Nestes locais, a entrada é gratuita. O horário de funcionamento no sábado e domingo, é das 10 às 16h.

O passeio de maria-fumaça, que funciona junto ao Museu Funicular, também é bastante procurado pelos turistas. O trem é operado pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, com apoio da Prefeitura de Santo André e da MRS Logística. O museu e o passeio de maria-fumaça funcionarão no sábado e domingo, das 10h às 16h, com ingressos a R$ 5,00 e R$ 3,00, respectivamente. O acesso se dá pela passarela.

Trilhas e o Caminho do Sal

O visitante pode ainda se aventurar pelas seis trilhas do Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba em meio à Mata Atlântica. No local, encontram-se exemplares de cedros, bromélias e orquídeas, além da fauna silvestre, com sanhaços, beija-flores, pica-paus, tangarás e macucos, entre outros. Outra atração são as nascentes do Rio Grande, principal formador da Represa Billings, e que dão o nome à unidade de conservação. As trilhas só podem ser feitas com o acompanhamento de monitores credenciados pela Prefeitura de Santo André. O serviço custa a partir de R$ 12 por pessoa.

Outra opção é o Caminho do Sal, antigo percurso da época colonial brasileira, que cortava a região para transportar o sal. A atração para o público aficcionado em atividades relacionadas ao ecoturismo foi desenvolvida em parceria entre as prefeituras de Santo André, São Bernardo e Mogi das Cruzes. No total, o roteiro tem uma extensão de 53,5 km, entre São Bernardo, Paranapiacaba e Mogi das Cruzes. O percurso pode ser feito em sua totalidade ou então percorrendo os diferentes trechos que o compõem: o Caminho do Zanzalá (16 km, entre São Bernardo do Campo e Santo André), o Caminho dos Carvoeiros (10 km, em Santo André) e o Caminho de Bento Ponteiro (27,5 km, entre Santo André e Mogi das Cruzes). Os trajetos podem ser percorridos a pé ou de bicicleta. Há sinalização turística, o que permite ao público perfazê-lo por conta própria. Mais informações podem ser obtidas no Centro de Informações Turísticas de Paranapiacaba, no Largo dos Padeiros, tel. 11 4439-0109.

Para receber o turista, a Vila de Paranapiacaba dispõe ainda de serviços de hospedagem, alimentação e monitoria cultural e ambiental.

Como chegar

Para chegar à Vila de carro, o visitante deve seguir pela Via Anchieta até o Km 29 (placa para Ribeirão Pires), entrar na SP 148 (estrada Velha de Santos) até o Km 33 e pegar a Rodovia Índio Tibiriçá (SP 31) até o Km 45,5. Após, o motorista deve pegar a SP 122 até Paranapiacaba. Também é possível chegar de ônibus, ele sai do Tersa (Terminal Rodoviário de Santo André), localizado na Estação Prefeito Saladino (CPTM), ou da estação ferroviária de Rio Grande da Serra a cada hora (Viação Ribeirão Pires (11) 4828-9646).

Serviços

Passeio de maria-fumaça: saída da passarela que liga a Parte Alta à Parte Baixa da Vila, sábado e domingo, a partir das 10h. O passeio custa R$ 5.

Parque Nascentes de Paranapiacaba: Funciona de terça-feira a domingo, das 9h às 16h. As visitas só podem ser realizadas com o acompanhamento de monitores cadastrados. As trilhas custam a partir de R$ 12 por pessoa.

Fonte: Notícia Ferroviária, Repórter Diário – 30/12/2014

Metrô e CPTM vão entregar apenas duas estações em 2015

O governo do Estado de São Paulo entregará, em 2015, menos estações de metrô e de trem do que neste ano e também em um número menor do que havia anunciado. Pelo cronograma da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), no próximo ano serão inauguradas duas novas estações do Metrô – Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie – e nenhuma da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Questionado, Alckmin afirmou que obras de mobilidade, “caríssimas e complexas”, não ficam prontas “em 24 horas”.

Para 2015, além das duas estações de metrô, a rede da CPTM ganhará duas estações reconstruídas (Suzano e Ferraz de Vasconcelos) e uma reformada (Poá), na Linha 11-Coral. Elas já existiam antes da requalificação. O metrô também não terá sua malha expandida, porque as paradas a serem entregues ficam no meio da Linha 4.

Neste ano, o governo inaugurou sete estações no sistema metroferroviário: Vila Aurora, na Linha 7-Rubi; Adolfo Pinheiro, na Linha 5-Lilás; Amador Bueno e Santa Rita, na Linha 8-Diamante; Fradique Coutinho, na Linha 4-Amarela; e Vila Prudente e Oratório, na Linha 15-Prata, que é um monotrilho. O secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, que deixará o cargo no fim deste mês, havia anunciado, porém, 12 paradas.

A Linha 17-Ouro, monotrilho do Metrô entre Congonhas e Morumbi, e a Linha 13-Jade da CPTM, entre Engenheiro Goulart e o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, estavam previstas para 2015, mas não serão concluídas. Juntos, os ramais teriam nove novas estações. Tanto o trem até o aeroporto como o monotrilho da zona sul devem ser inaugurados um ano depois do previsto pelo governo estadual.

A consultora de marketing Margarete de Moraes, de 45 anos, que vive no Jabaquara, na zona sul, se queixa dos prazos. “Há uns sete anos ouço falar da Linha 17 e, até agora, nada, nem sombra de obra para esses lados. Só prometem e prometem prazos, mas não cumprem”, disse. A segunda fase da Linha 5-Lilás, na mesma região da cidade, também ficou para 2016.

Mais atraso
A Linha 15-Prata, monotrilho suspenso sobre o eixo de avenidas como a Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello e Ragueb Chohfi, na zona leste, inicialmente teria mais estações abertas em 2014 – o projeto original era que a linha estivesse operando neste ano até a região de São Mateus. Até agora, duas estações foram entregues e funcionam parcialmente. Para 2015, nenhuma nova estação deve ser inaugurada.

Em construção
O Metrô informou, por meio de nota, que as duas estações já entregues na Linha 15-Prata passarão a funcionar integralmente em 2015. Para o mesmo ano, a empresa promete o início das perfurações da Linha 6-Laranja (entre a Vila Brasilândia, na zona norte, e São Joaquim, na região central) e a obra da extensão da Linha 2-Verde, entre a Vila Prudente e a Dutra, em Guarulhos.

“Além disso, mais 31,2 km de vias e 26 estações estarão em construção com o início das obras das Linhas 2 (prolongamento) e 18, que ligará São Paulo ao ABC”, afirma o texto. A CPTM, por sua vez, informou que, além da entrega das três estações renovadas, em 2015 “terão início as obras de construção da nova Estação União de Vila Nova, na Linha 12, e a reconstrução de 18 estações, além da implementação de um terminal de ônibus metropolitano, em Franco da Rocha”. A reconstrução das paradas está orçada em R$ 590 milhões, verba que virá do governo federal, “que, até o momento, não definiu a data de repasse”.

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) também planeja entregar em março “a primeira fase do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da Baixada Santista”, que “terá 11 km de extensão e ligará São Vicente (Barreiros) ao Porto de Santos”. A segunda etapa terá 8 km e unirá Conselheiro Nébias e Valongo, em Santos.

Fonte: Notícia Ferroviária, 29/12/2014

Metro de Pequim deverá crescer 6,5 quilómetros por mês

A rede de metropolitano de Pequim, que já é uma das mais extensas do mundo, deverá crescer em média 6,5 quilómetros por mês até 2020, atingindo então 1.000 quilómetros, anunciou este domingo a imprensa oficial.

O anúncio coincide com a abertura de quatro novas linhas, que elevaram para 527 quilómetros, e 17 linhas, a rede de metropolitano da capital chinesa.

No início do século XXI, Pequim tinha apenas duas linhas de metropolitano.

Fonte: Correio da Manhã, 29/12/2014

ANTT fixa depreciação para ativos de concessionárias de ferrovias

 

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) regulamentou as taxas de depreciação e de amortização anuais para os ativos das concessionárias de transporte ferroviário de cargas e passageiros, conforme resolução publicada no Diário Oficial da União (DOU).

De acordo com o documento, as taxas vão de 2,85% para ativos de infraestrutura e superestrutura, passando por 10% para máquinas e equipamentos de sinalização, por exemplo, até 20% para benfeitorias em vagões e aplicativos de software.

O texto diz que o método de depreciação e de amortização que deverá ser utilizado é o método linear e que não será admitido o cálculo da depreciação acelerada, exceto quando se tratar de depreciação acelerada incentivada. Ainda segundo o regulamento, a concessionária poderá encaminhar à ANTT, a qualquer tempo, pedido de revisão das taxas de depreciação e de amortização, que deverá ser individualizado para cada item do ativo e conter laudo técnico que justifique a revisão solicitada.

A ANTT terá 90 dias para se manifestar sobre o pedido. “Caso o pedido de revisão seja aprovado, as novas taxas de depreciação ou de amortização passarão a vigorar a partir do exercício seguinte ao da aprovação”, informa o documento.

Fonte:  Agência Estado/Diário de Pernambuco, 29/12/2014

Simulador de operações ferroviárias é inaugurado no Rio

Foi inaugurado no dia 23/12 na Central do Brasil, no Centro do Rio, o Centro de Treinamento Operacional (CTO). No local foi instalado um simulador de operação ferroviária em modelo de cabine para treinamento dos condutores de trem.

O aparelho reproduz com real semelhança a cabine dos novos trens que a Supervia adquiriu. O simulador permite que os condutores vivenciem experiências reais, como operar sob chuva forte, ser surpreendido por uma pessoa ou animal na via ou sofrer algum tipo de acidente. As janelas do simulador são painéis que reproduzem imagens que foram gravadas, por meio de câmeras instaladas na frente dos trens, de todo o percurso realizado pelos trens da Supervia.

“O cidadão vai ser tratado com dignidade e cidadania”, afirmou o governador Luiz Fernando Pezão durante a inauguração do espaço. Ele enfatizou que toda a frota da Supervia operando com os novos trens, todos equipados com ar condicionado.

Serão 100 novas composições, adquiridas na China, sendo que 50 já estão em operação. Mais quatro composições foram recebidas na segunda-feira (22) pelo governo do estado. “Nós estamos tirando 50 anos de atrasos, já que ainda temos trens que eram usados na década de 50”, destacou Pezão. Segundo Carlos José Cunha, presidente da Supervia, a expectativa é que até agosto do ano que vem todos os novos trens já tenham sido incorporados à frota.

A inauguração do CTO representa um investimento de R$ 17 milhões, segundo a Supervia, que ficou responsável pela obra e ambientação do local. Os equipamentos de última geração foram comprados pelo governo do estado. O espaço será usado para cursos de formação e reciclagem dos maquinistas. Lá, os alunos terão aulas teóricas sobre ferrovia, sinalização de tráfego e mecânica, além de realizarem viagens com o simulador.

“Se nós tivéssemos feito este dever de casa nos anos anteriores ao nosso governo nós teríamos hoje um dos sistemas [ferroviários] melhores do Brasil e da América do Sul. A gente sabe que ainda temos muito para avançar e vamos avançar”, garantiu Pezão, que ressaltou ser o transporte ferroviário o modal que ele considera mais importante para garantir a mobilidade da população.

Fonte: G1 Rio, 24/12/2014

Por Daniel Silveira

Metrô: bilhete para réveillon é vendido em sete estações

Contagem regressiva para o réveillon e também para a compra de passagens do Metrô Rio rumo à festa da virada na Praia de Copacabana. Com o encerramento das vendas online, no último domingo, o cartão passa a ser oferecido, até quarta-feira, em sete estações: Pavuna, Maracanã, Saens Peña, Central, Carioca, Largo do Machado e Siqueira Campos. Depois disso (a partir do dia 25), os bilhetes só estarão disponíveis em quatro estações: Pavuna, Central, Carioca e Largo do Machado.

A venda acontece das 9h às 21h, com exceção das estações Pavuna e Central, onde o serviço é das 10h às 21h.

Segundo o Metrô Rio, até o meio-dia de domingo, já haviam sido vendidos 20% dos bilhetes. A maior procura pelos 143 mil cartões disponibilizados pela concessionária tem sido registrada entre 21h e 23h. Desse total de passagens, 104 mil são de ida e volta e custam R$ 7; 26 mil são só de ida; e 13 mil apenas de volta. Nesses dois últimos casos, o preço é R$ 3,50.

Nas viagens de ida, há cinco faixas de horário para embarque, entre 19h e meia-noite. Neste período, apenas usuários com o cartão especial poderão embarcar. Já a volta não terá horário fixo entre meia-noite e 5h .

Fonte: Extra, 22/12/2014

Primeira estação ferroviária brasileira ganhará memorial informatizado

RIO – O marco zero das ferrovias brasileiras, a estação do distrito de Guia de Pacobaíba, em Magé, vai ganhar um memorial informatizado. Foi de lá que partiu o primeiro trem, implantado por Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá, com a presença do imperador e passageiro dom Pedro II, em direção a Raiz da Serra, em Petrópolis.

A liberação da verba de R$ 1 milhão para o memorial foi anunciada pelo ministro do Turismo, Vinicius Lages, que ressaltou a importância da valorização turística dos municípios nos arredores da Baía de Guanabara.

Para o secretário de Turismo do estado, Cláudio Magnavita, a construção do memorial é o primeiro passo para essa valorização:

— A ferrovia foi fundamental para o desenvolvimento de municípios como Petrópolis. É essencial que essa área seja incluída no roteiro turístico do estado.

O diretor de Turismo de Magé, Hernesto Franco Teixeira, disse que uma equipe foi criada para trabalhar no projeto do memorial. Na área externa, haverá um espaço de convivência, além de um píer, de onde os visitantes poderão contemplar a Baía de Guanabara.

O segundo passo será a implantação de um trecho ferroviário voltado para o turismo, como o existente entre São João Del Rey e Tiradentes, em Minas Gerais. Atualmente, a estação é administrada pelo governo municipal, em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O economista Marcos Poggi, especialista em planejamento de transportes, elogia o projeto para preservar a memória do trem, mas observa que apenas o transporte de grandes volumes de carga a longas ou médias distâncias torna uma ferrovia viável economicamente:

— O aproveitamento de ramais desativados para fins turísticos é interessante. O que não dá é para se pensar em aproveitar os antigos traçados para o transporte regular de carga ou de passageiros.

Fonte: Jornal O Globo, 20/12/2014

 

Concessionárias ferroviárias poderão adquirir trens em nome da União

A Câmara analisa o Projeto de Lei 7701/14, que permite que as empresas concessionárias dos serviços de transporte ferroviário de passageiros e cargas possam adquirir, em nome da União, os equipamentos, locomotivas, material rodante, peças e demais bens vinculados à prestação desses serviços. “O objetivo da medida é incentivar o transporte ferroviário e a indústria ferroviária, bem como reduzir os custos dos serviços prestados aos usuários”, explica o autor da proposta, deputado Júlio Lopes.

O deputado argumenta que boa parte dos bens vinculados à execução dos serviços de transporte ferroviário de pessoas e cargas acaba por retornar ao patrimônio da União. “São os chamados bens reversíveis, que retornam ao poder concedente após o término dos contratos de concessão, quando então são indenizados caso não tenham sido integralmente amortizados” afirma. A proposta acrescenta dispositivo à Lei 10.233, de 5 de junho de 2001, que trata dos transportes aquaviário e terrestre. Segundo Lopes, os procedimentos necessários à aplicação da medida deverão ser definidos pelo poder concedente. Tramitação De caráter conclusivo, a proposta será analisada pelas comissões de Viação e Transportes; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Câmara Notícias, 19/12/2014