Incêndio destrói sinalização de cruzamento da linha férrea em Costa Barros

O Centro de Controle Operacional da SuperVia acionou o Corpo de Bombeiros para conter um incêndio na passagem em nível oficial localizada próximo à estação Costa Barros (ramal Belford Roxo) na tarde de segunda-feira (28).

As chamas foram iniciadas em dejetos despejados irregularmente na via férrea. Após o fogo ter sido controlado, a concessionária constatou a depredação de cabos e equipamentos responsáveis pelo funcionamento dos sinais luminosos e sonoros, destinados à orientação dos motoristas que trafegam naquela passagem em nível. Também foi danificado o sistema de sinalização automática dos trens, fazendo com que algumas composições precisassem aguardar ordem de circulação no trecho entre as estações Honório Gurgel e Pavuna/São João de Meriti (ramal Belford Roxo).

Devido à complexidade dos equipamentos que compõe o sistema de sinalização, a previsão é que a reinstalação de todo o equipamento seja concluída no final de fevereiro.

A ocorrência foi registrada na delegacia da região.  Em nota, a SuperVia disse que repudia ações como esta que, além de causarem prejuízos aos passageiros, colocam em risco a integridade física de quem utiliza o transporte ferroviário e também de quem passa pelo local.

Para se ter uma ideia, a empresa recolhe 1.050 toneladas de lixo por mês em sua faixa de domínio, ou seja, algo em torno de 95 toneladas/dia. Cerca de 80% desse lixo é resultado de despejos feitos por comunidades vizinhas à rede, que tem 270 quilômetros de linhas.

Fonte: SuperVia, 28/12/2015

SuperVia oferecerá trens extras na madrugada do ano novo

A SuperVia terá uma operação especial para atender os passageiros após as comemorações pela chegada do Ano Novo. Serão 26.400 lugares adicionais durante a madrugada do dia 1º de janeiro de 2016. No total, a concessionária disponibilizará 11 viagens extras, em trens com ar condicionado, que partirão da Central do Brasil e atenderão a população com destino à Baixada Fluminense, Zona Norte e Zona Oeste do Rio de Janeiro. As composições para o ramal Japeri partirão às 2h20, 3h, 4h e 5h. Já as viagens com destino ao ramal Santa Cruz serão realizadas às 2h40, 3h30, 4h30 e 5h30, e, no ramal Saracuruna, os trens seguirão viagem às 3h, 4h e 5h. Todos os trens farão o serviço parador e as viagens dos ramais Japeri e Santa Cruz também atenderão as estações do ramal Deodoro.

As estações Central do Brasil e Madureira (que permitem integração do trem com metrô e BRT) estarão abertas para embarque a partir das 1h50 e 2h20, respectivamente. Na madrugada, as demais estações do sistema ferroviário funcionarão apenas para desembarque de passageiros. Equipes de atendimento identificadas com a expressão “Posso Ajudar?”, gravada em camisetas ou coletes, estarão a postos na Central do Brasil e em Madureira para auxiliar o público. Para evitar filas, a SuperVia orienta os passageiros a adquirirem as passagens de ida e volta conjuntamente.

Para o trajeto de ida às festas de fim de ano, os passageiros poderão utilizar os trens da grade regular da SuperVia, de acordo com o planejado para cada ramal. A grade horária da circulação dos trens pode ser consultada na seção “Planeje a Sua Viagem”, disponível no aplicativo e no site da concessionária www.supervia.com.br, ou por meio do SuperVia Fone, no nmero 0800 726 9494 (24 horas por dia).

Passageiros do Teleférico do Alemão devem ficar atentos ao funcionamento do sistema: dias úteis, das 6h às 20h e aos sábados, das 8h às 18h. Não há operação aos domingos e feriados (01/01 e 03/01).

Horários das partidas extras durante a madrugada:

Ramal Partidas da Central para os terminais
Japeri 2h20 3h 4h 5h
Santa Cruz 2h40 3h30 4h30 5h30
Saracuruna 3h 4h 5h

Últimas partidas dos terminais para a Central do Brasil no dia 31/12 

Estação de origem Horário de partida para a Central do Brasil
Santa Cruz 20h26
Japeri 20h34
Belford Roxo 19h15
Saracuruna              19h05

Secretário quer bondes noturnos ligando a Lapa a Santa Teresa

RIO – Com atrasos sistemáticos nas obras de reformulação do sistema de bondes de Santa Teresa, foi inaugurado nesta segunda-feira a segunda etapa do projeto ferroviário da região: o trecho que liga o Largo do Curvelo ao Largo dos Guimarães, um dos polos gastronômicos do local. O passeio inaugural foi feito por volta das 11h com a presença do secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, e logo uma multidão de pessoas se aglomerou na Estação Carioca para fazer o trajeto, que é gratuito nessa fase chamada de pré-operação. Como a antiga linha que ia até a Rua Francisco Muratori, na Lapa, está em fase de conclusão, Osório anunciou que pretende unir, à noite, até fevereiro, dois dos locais mais boemios do Rio. A via férrea que liga até a Lapa, destruída nos temporais de 1966, será inaugurada na primeira quinzena de janeiro, segundo o secretário.

— Temos uma novidade. A nossa ideia é reunir essas duas regiões boemias da cidade também à noite nos fins de semana. De forma que o frequentador da Lapa possa subir e curtir Santa Teresa à noite e vice-versa. Com isso, a gente une, com o bonde, os dois principais polos gastronômicos e de lazer do Rio de Janeiro — afirmou o secretário. — Isso será possível após a complementação desta etapa importante da chegada dos bondes ao Largo dos Guimarães, ao coração de Santa Teresa. Já estamos olhando para frente. E a próxima etapa é colocar em circulação os bondes num percurso que não funcionava desde 1966, da Lapa, na Rua Francisco Muratori, esquina com a Rua do Riachuelo, até o alto de Santa Teresa e ao Largo da Carioca. Esse serviço foi descontinuado nas enchentes de 1966 e volta a funcionar agora em janeiro com passageiros no horário normal durante o dia.

Osório informou que tem a intenção de inaugurar o novo serviço no carnaval, mas vai depender do aval da Riotur.

— As novas linhas Francisco Murotoni-Largo dos Guimarães-Carioca será inaugurada, provavelmente, depois do carnaval. Mas vamos estudar. Estaremos prontos para operar à noite no carnaval, mas nossa preocupação é que, como a cidade fica muito cheia nessa época, e temos uma quantidade muito grande de blocos, tanto em Santa Teresa e no movimento da Lapa, isso não seja viável. Vamos conversar com a Riotur para saber se é adequado inaugurar esse serviço no carnaval ou se deixamos a novidade para depois da festa — afirmou o secretário.

Na fase de pré-operação, o sistema funcionará das 11h às 16h. Das 15 composições previstas para todo o sistema, cinco estão sendo usadas para ligar a Carioca ao Largo do Cuverlo e ao Largo dos Guimarães. Quando toda a obra estiver pronta, o que é previsto pela Secretaria estadual de Transportes para 2017, o horário será ampliado.

— Vamos conversar com os moradores para decidir tudo sobre o bairro. Queremos saber a opinião deles sobre o horário de funcionamento. Certamente, precisaremos usar os bondes nos horários de pico. Mas precisamos saber, já que o bonde faz um certo barulho ao se movimentar, se os moradores querem que funcione até às 18h, 19h, 20h. E que horas deverá começar a circular: se às 6h, às 7h. Vamos ouvir a população — garantiu Osório, que anunciou ainda a ideia de fazer a integração dos bondes com o transporte público municipal. — A ideia é que o preço da passagem do bonde seja menor do que a tarifa dos ônibus. Mas estamos vendo a questão de quem queira usar o transporte público municipal integrado aos bondes. Aí, o usuário pagaria R$ 3,40 e poderia usar ônibus também.

Uma das primeiras passageiras a embarcar no bonde que reinaugurou a linha Carioca – Largo dos Guimarães, a administradora de empresas Loyse Soares, de 40 anos, festejou.

— Para a gente é a volta de uma cultura para o Rio de Janeiro. Por que isso aqui é um marco de Santa Teresa. Turistas vêm aqui, as pessoas de todos os lugares vêm aqui e querem conhecer o bonde. Ele traz vida para o bairro. É isso que é importante. É fazer o bairro respirar novamente. O bonde faz parte do marco cultural da cidade.

Outro que estava eufórico era o analista jurídico Diego Santana, de 29 anos.

— Convoco todos os moradores, todos os amigos e familiares que vivem aqui no bairro a prestigiar o retorno (do bonde) para que possamos ficar mais tranquilos depois de tanto tempo de ausência. E vamos comemorar.

Emidio Dandrea, presidente da Associação de Moradores de Santa Teresa, viu a festa na chegada do bonde ao Largo dos Guimarães, mas disse que é preciso fazer mais.

— Essa é a segunda etapa. Com certeza é uma melhoria para o bairro, mas o ideal é chegar ao final, pois não está atendendo as comunidades. Quem usa hoje os bondes são moradores das comunidades. Oitenta por centos dos usuários dos bondes vêm delas. Mas está chegando lá. Precisamos de mais agilidade.

Maria Edileuza Batista da Silva, de 57 anos, dono do Bazar da Edileuza, bem em frente à estação do Largo dos Guimarães, disse que pretende recuperar a freguesia perdida.

— Muito bom! Espero que seja sempre assim. Nos deixou muito felizes. As pessoas precisavam desse bondinho de volta. Moro aqui há 37 anos e tenho esse comércio há 23. A falta dos bondes afetou muito o meu negócio. Pode botar 85% de vendas deixaram de ser feitas. Sempre usei muito os bondes. Meus filhos iam para o colégio, voltavam para casa de bonde. É muito bom ter o bondinho de volta —

Antes do embarque para a viagem inaugural, Carlos Roberto Osório celebrou:

— Hoje é um dia marcante para o serviço de bondes de Santa Teresa. Com passageiros, retomamos o serviço ao coração do bairro, que é o Largo dos Guimarães, e isso significa que nós estamos avançando. Temos, agora, em nosso cronograma três quilômetros de vias sendo construídas entre a Praça Odylo e o Largo do França. E a entrega completa do projeto será em 2017. Tivemos dificuldades , mas o bonde está de volta e agora ele chega ao coração do bairro de Santa Teresa e acho que isso é um motivo de comemoração para o Rio de Janeiro.

Sobre as medidas de segurança para evitar acidentes como o de 2011, quando cinco pessoas morreram e 57 ficaram feridas, o secretário garantiu que os bondes novos são muito seguros.

— Todo o cuidado nesse projeto foi tomado. Primeiro na construção dos bondes, que guardam características históricas dos bondes do passado, mas eles têm uma configuração mecânica e, principalmente de freios, de última geração. Nós temos nesses novos bondes quatro sistemas de freio, inclusive o quarto freio, que é o de emergência, é magnético e funciona sob qualquer condição. Nossa maior preocupação é segurança. Por isso, antes de colocar qualquer bonde em circulação são feitos testes exaustivos. Não apenas nos bondes como também na via permanente, nos trilhos. Estamos avançando paulatinamente. O serviço que hoje volta a ser entregue à população é seguro, testado, e pode garantir a tranquilidade a qualquer usuário — afirmou.
Fonte: Extra, 28/12/2015

Inauguração da estação ferroviária de Miguel Pereira – RJ

A Prefeitura de Miguel Pereira inaugurou no dia 23 de dezembro de 2015 a estacão ferroviária de Miguel Pereira no estado do Rio de Janeiro. A inauguração contou com autoridades da prefeitura, técnicos da Oscip Amigos do Trem e centenas de moradores e turistas que visitaram a estação e o trem Litorina.
A estação irá receber o Trem de Turismo Serra Azul em Miguel Pereira/RJ, a iniciativa é uma Parceria da Prefeitura de Miguel Pereira, Oscip Amigos do Trem, Ministério dos Transportes, DNIT e Inventariança da RFFSA.

Inspeção Técnica Operacional – ANTT

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), realizou no dia 16 de dezembro de 2015, sua primeira visita de inspeção técnica operacional no material rodante Automotriz, nas estações de Miguel Pereira e Governador Portela no trecho de via permanente já concluído e no que ainda está em execução.

Os técnicos foram acompanhados pelos secretários municipais Lélio Casa Nova (Turismo e Cultura) e Mauro Peixoto (Obras e Transportes) pelo Presidente da ONG Amigos do Trem Sr. Paulo Henrique do Nascimento e quadro técnico de voluntários Coordenado pelo Supervisor de Operações Ferroviárias S. Silvério Borges Pires Netto. A ANTT é o órgão responsável pela autorização do uso da linha e fez bons comentários sobre as obras e se surpreendeu com a reforma feita na Estação do Centro. Outra visita ocorrerá quando o trecho Centro-Governador Portela estiver todo concluído.

Fonte: http://www.amigosdotrem.org/

Mais um trecho do Bondinho de Santa Teresa volta a circular no Rio

O Bondinho de Santa Teresa, cartão postal do Rio de Janeiro reinaugurou um novo trecho nesta segunda-feira (28). Em agosto de 2011 o sistema parou de circular depois de um grave acidente que deixou cinco mortos e 57 feridos.

A circulação que vai do Largo da Carioca, no Centro do Rio, até o Largo do Guimarães está em fase de teste. Confira no link abaixo matéria da Globonews, 28/12/2015

http://g1.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/videos/t/videos/v/mais-um-trecho-do-bondinho-de-santa-teresa-volta-a-circular-no-rio/4702450

 

Reflexão: Na expectativa de um novo ano

Os atuais modelos de desenvolvimento econômico não tardarão a ser superados por novos paradigmas baseados em valores mais humanos e mais consistentes.

“Marco Polo descreve uma ponte, pedra por pedra. Mas qual é a pedra que sustenta a ponte, pergunta Kublai Khan. A ponte não é sustentada por esta ou aquela pedra, mas pela curvatura do arco que elas formam — responde Marco Polo. Kublai Khan permanece em silêncio, refletindo. Depois acrescenta: por que falar em pedras se só o arco me interessa! Marco Polo responde: — sem as pedras o arco não existe.” (Ítalo Calvino em “Cidades Invisíveis”)

Hoje não pretendo falar de arquitetura ou de urbanismo. Diante do grave momento que estamos vivendo, parece mais adequado refletir sobre outras questões que fazem parte do nosso cotidiano. Alguns fatos recentes mostram que, depois de consumada a desgraça, não adianta chorar o leite derramado. Refiro-me não apenas ao recente desastre ecológico envolvendo o Rio Doce, mas, sobretudo, à lama que, em seu sentido figurado, escorre por todos os cantos deste país.

Não há como negar certa passividade da nossa sociedade frente às denúncias de corrupção veiculadas diariamente nos meios de comunicação. Principalmente, diante do cinismo da corja de bandidos responsável pela maioria das desgraças que ora estamos vivenciando. Graças às investigações sigilosas e à ágil ação de alguns setores da nossa Justiça, felizmente, alguns desses malfeitores saíram de cena. Políticos aparentemente respeitáveis, empresários admirados pela sua eficiência e funcionários públicos espertalhões, hoje, cumprem penas sem desfrutar dos seus antigos e costumeiros privilégios.

Resta-nos, no entanto, o consolo de ver que a nossa jovem democracia veio para ficar. Neste momento de tantas incertezas, pelo menos uma certeza se tornou evidente: como é difícil conviver com gente que menospreza valores éticos e se impõe pela arrogância e pela prepotência, especialmente, quando incensados pela poder da grana acumulada de maneira desonesta.

Também tem sido difícil interagir com indivíduos que tentam, por todos os meios, impor as suas convicções políticas e ideológicas. Quando o assunto extrapola para a religião, a situação se complica ainda mais. Geralmente, nesses casos, prevalece a hipocrisia e os moralismos retrógrados daqueles que se deleitam ao falar mal da vida alheia. Chega de obscurantismos e fundamentalismos de qualquer espécie.

Apesar de este ter sido um ano repleto de frustrações, não dá para ficar paralisado assistindo à banda passar. Há que se ter a convicção de que a velha esperança não se desfaz diante de qualquer frustração. Sabemos que a vida se expressa em ciclos contínuos e sucessivos onde o livre-arbítrio costuma ser o fiel da balança. Portanto, refletir sobre o presente e sobre o passado em busca de algo que ajude a construir um futuro auspicioso parece ser o caminho mais adequado.

Tenho a convicção de que os atuais modelos de desenvolvimento econômico não tardarão a ser superados por novos paradigmas baseados em valores mais humanos e mais consistentes. O pragmatismo de resultados imediatos não pode prevalecer indefinidamente. Resta-nos, portanto, a esperança de ver construído um projeto de vida onde homens e mulheres, crianças e velhos, ricos e pobres, patrões e empregados, sem exceção, percebam que vivem em um mesmo planeta e possuem a mesma materialidade. Quando a humanidade compactuar com esses princípios, certamente, assistiremos a uma maior valorização dos aspectos humanísticos e teremos a solidariedade como principal catalisador desse processo.

Em tempo de aproximação de um novo ano, não dá pra ficar de braços cruzados. Vamos em frente enquanto há tempo. Um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo para todos!

Luiz Fernando Janot é arquiteto e urbanista

Fonte: O Globo

SuperVia conclui modernização da estação Madureira

A SuperVia entregou nesta terça-feira (22) a estação Madureira (ramal Deodoro) aos seus passageiros com novos itens de acessibilidade. Além de uma escada rolante de ligação entre o mezanino e a plataforma 1, três elevadores também já estão em funcionamento. Os equipamentos proporcionam mais conforto e acessibilidade aos cerca de 45 mil passageiros que passam pelo local todos os dias.

Em junho, a concessionária já havia concluído as obras de reforma da estação. No local, foi feita a ampliação da área de embarque, reordenação e modernização da bilheteria, aumento no número de catracas de seis para 15, alargamento dos degraus da escada da plataforma 3, instalação de cobertura completa nas plataformas, ampliação dos banheiros, nova iluminação e comunicação visual.

“Estamos realizando o maior processo de revitalização já visto na história da ferrovia nos últimos 40 anos e a transformação inclui obras nas estações, alterações no planejamento operacional, renovação da frota, entre outras melhorias. Seguimos com o compromisso de oferecer um serviço cada vez melhor aos nossos passageiros.”, ressalta o presidente da SuperVia, Carlos José Cunha.

O programa de investimentos que está em curso no sistema ferroviário do Rio de Janeiro, resultado de uma parceria entre a SuperVia e o Governo do Estado, contempla a reforma de todas as estações. Fruto do investimento de R$ 376 milhões por parte da concessionária, até 2020 todas receberão obras de modernização para oferecer instalações mais acessíveis e confortáveis. No total, 15 estações já passaram por reformas e, atualmente, as intervenções se concentram nas estações São Cristóvão, Deodoro, Engenho de Dentro, Vila Militar, Magalhães Bastos e Ricardo de Albuquerque, consideradas estratégicas para as Olímpiadas. As melhorias incluem a adaptação de bilheterias, instalação de elevadores, escadas rolantes, piso tátil, banheiros adaptados e rampas de acesso. Além dos padrões de acessibilidade adotados, a reforma também prevê a construção de cobertura nas passarelas e plataformas, recuperação dos pisos, nova comunicação visual e iluminação.

Fonte: SuperVia, 22/12/2015

A Aenfer deseja a todos um Feliz 2016

ESTAÇÃO DEZEMBRO

“Todos os passageiros deverão desembarcar. Levem consigo suas bagagens: companheiros, amizades, planos, doenças, dúvidas, realizações, descobertas, dívidas, encontros, preocupações… Aguardem outro trem no outro lado da plataforma”.

ESTAÇÃO JANEIRO

“Sejam benvindos a esta viagem com destino a 2016. Nossa viagem deverá ter uma duração de 12 meses. Ninguém irá sozinho. Ao longo do caminho não se admire se embarcarem novos passageiros e outros desembarcarem. Temos certeza de que todos farão ótima viagem. Não esqueçam sua bagagem: alegrias e tristezas, problemas e esperanças, saúde e doença, frustrações e planos, conflitos e perdões. Evitem ficar em silêncio, dialoguem. Não fiquem fechados em si mesmos, compartilhem. Venceremos alguns obstáculos, passando por túneis escuros, trilhando pontes que nos levarão de um lado ao outro. Se preciso passaremos por alguns desvios desde que nos levem ao destino.

Aos sinais sonoros da meia noite nosso percurso se iniciará. Boa viagem!

Texto: Luiz Fernando Aguiar – Conselheiro do Jornal Aenfer

 

 

 

Trens da Linha 4 irão reforçar frota do sistema metroviário

O Governo do Rio de Janeiro colocou em operação, ontem, o 15º trem da Linha 4 do Metrô (Ipanema-Barra da Tijuca), que completa a frota de novos veículos comprados na China. A viagem inaugural partiu da Estação Estácio em direção à Pavuna. Sete dos trens da Linha 4 vão circular na Linha 2, substituindo composições antigas. Objetivo é dar mais conforto aos usuários e maior agilidade operacional ao sistema.

Com ar-condicionado 33% mais potente que os dos veículos antigos, os trens da Linha 4 seguem o mesmo projeto dos 19 que circulam pelo sistema desde 2012: seis carros com capacidade para 1,8 mil pessoas, passagem interna entre os vagões e câmeras de monitoramento interno.

“A partir de hoje, sete trens da Linha 4 passam a integrar a frota da Linha 2, que vai operar praticamente só com veículos novos. Isso vai permitir com que a gente atinja a meta de, até julho de 2016, revitalizar todos os 30 trens antigos do metrô, que passarão por manutenção principalmente no ar-condicionado”,  afirmou o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio.

Com a chegada das 15 novas composições, a frota do metrô chega a 64 trens, um incremento de mais de 100% no número de veículos que operam no sistema em comparação ao ano de 2009, quando circulavam 30 composições.

Projeto de revitalização

Em paralelo, a concessionária segue com o projeto de revitalização dos 30 veículos mais antigos. Sete composições já passaram por revisão nos sistemas elétrico, de ar-condicionado, de portas e de propulsões, além de manutenções preventivas e corretivas e processos de pintura.

Operação Verão começa amanhã

Para atender o aumento de demanda aos sábados, domingos e feriados, devido ao início do verão e das férias, o MetrôRio inicia amanhã a Operação Verão. O planejamento especial, que vai até o dia 14 de fevereiro, consiste no reforço dos trens nos fins de semana e feriados, reduzindo os intervalos entre as viagens e aumentando em até 20% o número de lugares em relação à oferta usual.

“Essa operação vai perdurar até o fim do verão e valerá também no Réveillon e no Carnaval, períodos em que a cidade recebe muitos visitantes e também quando os moradores da Região Metropolitana se deslocam com maior frequência para as praias. Em poucas semanas, teremos a abertura oficial dos blocos, que causam grande impacto no trânsito.  Nossa ideia é fazer com que o metrô seja a melhor opção de transporte para se chegar às praias, à Lapa e aos pontos turísticos da cidade, seja na Zona Sul ou na região central”,  explicou o secretário de Transportes, Carlos Roberto Osorio.

A transferência entre as Linhas 1 e 2 durante esse período será feita na estação Estácio. Trens extras, posicionados estrategicamente, vão ser injetados no sistema de acordo com o aumento do fluxo de usuários.

Embarque especial

O embarque de bicicletas nas estações do Metrô nos finais de semana e feriados em qualquer horário está mantido. O usuário pode embarcar com a bicicleta também em dias úteis, após as 21h, no último carro de cada composição.

Fonte: JB Online, 18/12/2015