Fraude em licitações de ferrovias

BRASÍLIA — Uma nova operação, desdobramento da Lava-Jato e batizada de Tabela Periódica, foi deflagrada na manhã desta quinta-feira pela Polícia Federal para o cumprimento de 44 mandatos de busca e apreensão e 14 mandatos de conduta coercitiva em Goiás e mais oito estados. O objetivo é colher provas adicionais sobre o envolvimento de empreiteiras e seus executivos em crimes de formação de cartel, fraudes e pagamento de propinas a ex-diretores da Valec, revelado pela Camargo Corrêa.

A investigação já aponta prejuízos aos cofres públicos de R$ 631,5 milhões, considerando somente trechos executados na Norte-Sul, em Goiás. O trabalho é realizado com o Ministério Público de Goiás e Conselho Administrativo e Defesa Econômica (Cade).

Entre os alvos da Operação estão as empresas Carioca Engenharia (Maurício de Castro Jorge Muniz); Constran (José Carlos Tadeu Gago Lima); Galvão Engenharia (José Henrique Massucato), Mendes Jr (Reinaldo Batista de Medeiros), Odebrecht (Pedro Augusto Carneiro Leão Neto e Ricardo Ferraz Torres), Queiroz Galvão (Luiz Ronaldo Cherulli e Rui Novais Dias), Pavotec, SPA Engenharia e CR Almeida.

Tabela Periódica faz referência ao nome que alguns dos próprios investigados deram a uma planilha de controle em que desenhavam o mapa do cartel. A operação é uma nova etapa da “O Recebedor”, deflagrada em 26 de fevereiro. Em acordo de leniência e delação premiada, a Camargo Corrêa se comprometeu a devolver aos cofres públicos R$ 800 milhões, dos quais R$ 65 milhões destinados a ressarcir danos acusados à Valec, estatal ferroviária vinculada ao Ministério dos Transportes. A empresa entregou ainda provas contra outras empreiteiras que participaram do esquema e contra José Francisco das Neves, o Juquinha, ex-presidente da Valec.

Em abril de 2015, O GLOBO revelou que o ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton Avancini, confessou à Justiça que a empresa pagou propina para executar obras na Ferrovia Norte-Sul. Segundo o empresário, o esquema era similar ao realizado com contratos da Petrobras investigados pela Lava-Jato e abasteceu partidos políticos e agentes públicos.

Fonte: O Globo, 30/06/2016

Operação comercial do VLT Carioca é adiada

A Prefeitura do Rio, através da Secretaria Municipal de Transportes e da Concessionária do VLT Carioca, informou que, para garantir maior tempo de acomodação e melhor convivência da população com o sistema, optou pelo adiamento do início da operação comercial do Veículo Leve sobre Trilhos, prevista para começar nesta sexta-feira (01/07). A nova data será comunicada em breve.

Um dos legados das Olimpíadas, o primeiro trecho do Veículo Leve sobre Trilhos – VLT, entrou em funcionamento dia 05 de maio transportando passageiros entre a Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont, passando pela Praça Mauá e Cinelândia.

30/06/2016

Continuidade dos projetos é um dos desafios do setor metroferroviário

O cenário econômico do Brasil passa por um momento restritivo e deve se manter assim até o próximo ano. No setor de transporte sobre trilhos a situação não deve ser diferente. A Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos) defende a continuidade dos investimentos que já estão em curso e prosseguimento da expansão dos estudos e projetos necessários para a retomada dos aportes nos próximos anos.

“Na mobilidade urbana, com a defasagem de atendimento e o déficit de investimentos, todos os aportes em transporte de massa, que é o caso do transporte sobre trilhos, são estratégicos. Os projetos que já estão sendo realizados precisam ter uma atenção especial dos governantes para que os prazos de implantação possam ser mantidos, com investimentos garantidos, para que a população possa usufruir da infraestrutura necessária para o seu deslocamento e mobilidade”, explica a superintendente da ANPTrilhos, Roberta Marchesi.

As informações sobre o mercado metroferroviário e os projetos de transporte de passageiros sobre trilhos fazem parte do Balanço do Setor Metroferroviário de Passageiros 2015/2016. A versão completa do documento está disponível no site da ANPTrilhos – www.anptrilhos.org.br .

Fonte: ANPTrilhos, 30/06/2016

Ato contra desemprego encurta trajeto do VLT

Cerca de 50 pessoas interromperam nesta quarta-feira o funcionamento do VLT no Centro do Rio no cruzamento das avenidas Rio Branco e Presidente Vargas, na altura da estação Candelária. O protesto é organizado pelo grupo SOS Emprego, formado por ex-funcionários da Comperj, da Reduc e do estaleiro Mauá entre outras grandes companhias. A manifestação, que começou por volta das 14h, encurtou o trajeto dos bondes.

O VLT passou a fazer o trajeto entre a estação São Bento, uma antes da Candelária, até a Parada dos Navios. No sentido oposto, os bondes circulam apenas entre o Aeroporto Santos Dummont e a estação Sete de Setembro. A Polícia Militar e a Guarda Municipal acompanham o protesto e orientam o trânsito. A estação Candelária está fora de operação.

— Nosso objetivo é alertar a população para a grave situação de desemprego e o descaso das autoridades com relação a esse assunto. Escolhemos o VLT porque foi uma obra em que foram investidos muito recursos que poderiam ser revertidos para outras áreas, como Educação e Saúde. Nossa ideia é fazer um ato ainda maior no dia 6 — afirmou Alexandre Lopes, 41 anos, soldador que já trabalhou em projetos da Petrobras e está há um ano e oito meses parado: — Qual o sentido de ter Olimpíada numa cidade que tem 198.700 desempregados? Eu não vou poder ver os jogos estando desempregado.

O ato terminou por volta das 15h, de forma pacífica.

Fonte: Extra, 29/06/2016

Tesouro não vai autorizar empréstimo para Linha 4

BRASÍLIA – O Tesouro Nacional não dará aval para que o Rio de Janeiro realize operações de crédito com bancos enquanto o estado estiver inadimplente com a União. A declaração foi dada nesta terça-feira pela nova secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi. O Rio vem negociando com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) um empréstimo para a conclusão das obras da linha 4 do metrô (Barra-Ipanema), um dos compromissos assumidos pelo estado para os Jogos Olímpicos, que começam em 5 de agosto. No entanto, a negociação está bloqueada.

— Operações de crédito seguem parâmetros legais e têm uma série de requerimentos. Na medida em que há algum requerimento não atendido, não podemos liberar um aval. Um deles é que o estado esteja adimplente com a União. Enquanto o Rio não estiver adimplente, a União não poderá conceder o aval — explicou.

Ela afirmou ainda que o governo está concluindo “detalhes técnicos e orçamentários” para liberar R$ 2,9 bilhões para o governo do Rio.

No último domingo, em entrevista ao GLOBO, o governador em exercício, Francisco Dornelles, afirmou que, com o repasse de R$ 2,9 bilhões da União, exclusivo para a área de segurança, o estado deverá remanejar parte dos recursos orçamentários da pasta para o metrô, as barcas e a área da saúde. Ao todo, o estado deve R$ 400 milhões ao consórcio construtor, segundo ele.

PLANO ALTERNATIVO

Nesta terça-feira, o diretor-executivo do Comitê Organizador Rio-2016, Sidney Levy, ao ser questionado sobre o risco de se abrir o metrô sem testes suficientes, garantiu que a prioridade será a segurança:

— Se tiver risco, a gente não vai abrir o metrô, e aí vai no ônibus, um outro meio, mas a gente não vai colocar ninguém em risco — disse ele, que afirmou, contudo, que a obra já está completa: — Eu já andei no metrô, ele está pronto, já peguei o trem e fui até o final (da linha). O que falta agora é o comissionamento, é como quando você pega uma casa nova, tem que abrir todas as torneiras, acender todas as luzes, você tem que testar a casa e o mês de julho é para isso.

Fonte: O Globo, 29/06/2016

RJ realiza estudos para revitalizar ramal ferroviário

A Câmara Municipal do Rio de Janeiro lançou esta semana um plano de desenvolvimento urbano que visa revitalizar um ramal ferroviário de 18 quilômetros entre o Arco Metropolitano, na Baixada Fluminense, à estação do metrô da Pavuna, na Zona Norte.

O trecho corta os municípios de São João de Meriti, Mesquita, Belford Roxo e Nova Iguaçu, e é utilizado somente para o transporte de carga. A prefeitura fechou uma parceria de 200 mil euros com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), que destinará a consultoria para a Tectran.

O estudo vai beneficiar cerca de 500 mil moradores e a previsão é de que o levantamento seja concluído em seis meses.

“Tenho certeza de que este será um bom exemplo de projeto-piloto”, afirmou o consultor da Tectran, Marc Olivier Maillefaud.

O diretor da AFD, David Willecomme, explicou que a parceria técnica prevê o apoio no setor de infraestrutura urbana, o que inclui a mobilidade.

Fonte: Estação Ferroviária, 27/06/2016

Rumo ALL tenta voltar aos trilhos

Quando a fusão da empresa de logística Rumo com a ALL foi aprovada, em fevereiro de 2015,o executivo Júlio Fontana Neto, escolhido para comandar o negócio, sabia que encontraria uma companhia com uma série de problemas – algo que era de conhecimento de boa parte do mercado. Mas, assim que assumiu a operação, dois meses depois, ele não imaginava que as dificuldades seriam muito maiores do que seus piores pesadelos poderiam supor. Nada representa melhor o estado de degradação operacional da ALL do que uma desguarnecedora chinesa, uma máquina que substitui toda a brita que dá sustentação aos dormentes nos trilhos.

O equipamento, que custou US$ 4,5 milhões, estava abandonado e dentro dele nascia uma árvore. Esse era o primeiro indicativo de que o que já estava ruim poderia ficar pior ainda. As descobertas, ao longo das primeiras semanas, não pararam de surpreender Fontana Neto. A rede estava toda deteriorada: 81% dos vagões e 72% das locomotivas, por exemplo, estavam com as manutenções atrasadas. Os dormentes de eucalipto precisavam ser trocados. E até  uma graxa barata e de má qualidade causava problemas nos rolamentos dos trens, aumentando o risco de acidentes.

Um ano depois de assumir a operação de uma empresa que mais parecia um trem descarrilado, Fontana Neto começa a recolocar a Rumo ALL nos trilhos. Ainda estamos ajustando a casa e temos muito mato para cortar, diz o executivo, que também já comandou a MRS e a Cosan Logística. Nos primeiros 12 meses à frente da empresa, Fontana Neto se focou em olhar com uma lupa todos os gargalos que faziam a malha de quase 12 mil quilômetros de trilhos da antiga ALL estar emperrada.

Em linhas gerais, o plano para recuperar a credibilidade envolve melhorar a capacidade dos trens, reduzir os acidentes para aumentar a velocidade média da ferrovia e resgatar o relacionamento com os clientes, que também estava desgastado. A própria Rumo, antes da fusão, havia se metido em uma disputa judicial com a ALL por conta de um contrato de mais de R$ 1 bilhão. Em paralelo, era preciso renegociar uma enorme dívida, que somava R$ 8 bilhões no fim de 2015, mais de quatro vezes a geração de caixa da empresa…

…Ao mesmo tempo, a empresa manteve um alto índice de ocorrências de acidentes. Em 2014, foram reportados 366 acidentes, uma média de 30 por mês. Em 2015, a média subiu para 41. Mas, nos três primeiros meses de 2016, caiu para 25. Em Santos, por exemplo, havia uma média de dois incidentes por dia com os trens da ALL – hoje está próxima de zero. Por essa razão, a crise operacional foi a primeira a ser atacada pelos novos donos da Rumo ALL, que passou a ser controlada pela Cosan Logística, do empresário Rubens Ometto…

Fonte: Isto É Dinheiro – Ralphe Manzoni Jr, 27/06/2016

SuperVia iniciará venda de ingressos com desconto para as Olimpíadas

A partir de amanhã (29/06), a SuperVia oferece uma oportunidade imperdível para quem não quer ficar de fora da maior festa do esporte mundial. A concessionária, em parceria com o Comitê Rio 2016, iniciará a venda de ingressos com 20% de desconto para nove modalidades olímpicas nas estações Central do Brasil e Maracanã.

O público poderá comprar entradas promocionais para assistir às competições de basquete, tiro com arco, atletismo (maratona), badminton, boxe, hóquei sobre grama, canoagem slalom, rugby, tênis de mesa e levantamento de peso. O ingresso mais barato pode sair por até R$ 16 reais (desconto de 20% + meia entrada). Além desses, também serão vendidos ingressos para todas as outras modalidades ainda disponíveis no sistema. As vendas acontecerão de segunda-feira a sábado, das 7h às 15h, no corredor cultural da Central do Brasil e na bilheteria da estação Maracanã, até o fim dos jogos. O pagamento deve ser feito em dinheiro ou cartão Visa (crédito ou débito).
A SuperVia será um dos principais meios de transporte do público durante as Olimpíadas do Rio por contar com estações localizadas em pontos estratégicos para os locais das competições. Atualmente, quatro estações passam por obras de reformas para melhor atender o público, sendo elas São Cristóvão, Engenho de Dentro, Deodoro e Vila Militar. As estações Ricardo de Albuquerque e Magalhães Bastos já foram entregues. A previsão da concessionária é que no período dos Jogos sejam ofertados 3 milhões de lugares nos trens diariamente em cerca de 1.600 viagens.

Fonte: SuperVia, 28/06/2016

SuperVia inicia nova fase de obras na Estação São Cristóvão

A partir desta segunda-feira (27/6), a SuperVia inicia uma nova etapa das obras de melhorias da Estação São Cristóvão. Essa fase contará com o nivelamento da plataforma 3, utilizada pelos passageiros dos ramais Saracuruna e Belford Roxo. Por isso, até a conclusão das obras, os trens desses ramais não realizarão parada em São Cristóvão.

A previsão é de que as intervenções sejam concluídas até o fim de julho. Os passageiros desses ramais que desejarem embarcar ou desembarcar na Estação São Cristóvão deverão realizar transferência para trens de Deodoro, Santa Cruz e Japeri nas estações Central do Brasil ou Intermodal Maracanã.

Com a conclusão das obras iniciadas em fevereiro, os trens do ramal Deodoro voltam a realizar paradas na Estação São Cristóvão, a partir do mesmo dia, e a Estação Praça da Bandeira volta a funcionar aos sábados, domingos e feriados.

As obras de melhorias fazem parte do projeto da nova Estação São Cristóvão, uma das seis estratégicas para os Jogos Olímpicos.

Os passageiros são informados sobre alterações necessárias à operação ferroviária por meio dos canais de comunicação da concessionária: sistema de áudio nas estações e trens; site; aplicativo; Facebook; Twitter; e o SuperVia Fone (0800 726 9494).

Fonte: SuperVia, 27/06/2016

AENFER comunica

Familiares do diretor Social Carlo Luciano De Luca, falecido ano passado, convidam para a missa de 1 ano de seu falecimento que ocorrerá no dia 29 de junho (quarta-feira). Engenheiro mecânico e oriundo da RFFSA, De Luca também foi diretor de Produtos e Serviços na Aenfer, período 2010/2013, sendo diretor Social na atual gestão. A missa será realizada na Igreja de São José às 11 horas da manhã Av. Presidente Antônio Carlos, S/N Centro-RJ

DELUCA