Alstom finalizou compra da Bombardier: nasce o segundo maior grupo ferroviário do mundo

O grupo francês Alstom finalizou o processo de aquisição da empresa canadiana Bombardier – a verba envolvida nesta mega-operação atinge os 6 mil milhões de euros e dará origem ao segundo maior grupo ferroviário do mundo, com um volume de negócios a rondar os 15 mil milhões de euros.

Em comunicado, recentemente divulgado pelo grupo ferroviário francês, pode ler-se que a Alstom «assinou um memorando de entendimento com a Bombardier e com o Caisse de Dêpot et Placement du Quêbec (CDPQ) com vista à aquisição da Bombarbier Transportation».

O banco canadiano Caisse de Dêpot et Placement du Quêbec (CDPQ) possui 32,5%, e, na sequência desta mega-operação de aquisição, irá reinvestir na Alstom cerca de dois mil milhões de euros, quantia encaixada na concretização do negócio. A este valor juntar-se-ão mais 700 milhões de euros, fazendo assim da entidade bancária o maior acionista da nova empresa (com cerca de 18% do capital), resultante da operação.

«Esta aquisição melhorará o nosso alcance global e a nossa capacidade de responder à crescente necessidade de mobilidade sustentável. A Bombardier Transportation trará à Alstom presença geográfica complementar e presença industrial em mercados em crescimento, além de plataformas tecnológicas adicionais», declarou, na sequência da divulgação da operação, Henri Poupart-Lafarge, CEO da Alstom.

«Temos o prazer de o Caisse de Dêpot et Placement du Quêbec como novo acionista de longo prazo, que apoia totalmente a transação e a estratégia da Alstom», acrescentou ainda Henri Poupart-Lafarge. A operação implicará um crescimento de dois dígitos ao lucro por cada ação logo a partir do segundo ano de atividade; as sinergias serão de 400 milhões de euros após cinco anos de atividade.

O negócio surge na ressaca de outra operação de fusão, que, tal como a Revista Cargo à data noticiou, acabou por não se concretizar: no Verão de 2018, a Alstom esteve envolvida num processo de fusão com a Siemens, que resultaria na criação do maior grupo ferroviário do mundo. Apesar do Estado francês ter dado luz verde à operação, a Comissão Europeia viria a bloquear a conclusão do negócio.

«Sem as devidas adaptações, essa fusão resultaria em preços mais altos para os sistemas de sinalização que mantêm os passageiros seguros e para as próximas gerações de comboios de alta velocidade», admitia à data a Comissão, frisando que o chumbo se devia ao facto das empresas não estarem «dispostas a resolver sérios problemas de concorrência», frisava, em julho de 2018, a Comissária Europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager.

 Fonte: Revista Cargo, 13/04/2020

Deixe um comentário

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558