BRT no RIO: UMA DECISÃO ACERTADA?

O governo do estado e a prefeitura do Rio optaram por investir fortemente no BRT como solução para nosso município, visando à Copa de 2014 e, principalmente, aos Jogos Olímpicos de 2016, através da implantação das linhas TransOeste, TransOlímpica e TransCarioca.

Numa cidade com sérios problemas de transporte e trânsito, é louvável a movimentação das autoridades no sentido de tentar resolver ou, pelo menos, minimizar esse angustiante problema.

No entanto, tememos que a médio prazo venhamos a lamentar essa decisão. O custo para construção do BRT é inferior ao do VLT e seu prazo de execução pode ser menor mas, quando tanto se fala em sustentabilidade e preservação do meio ambiente, o que pretendemos deixar para o nosso futuro e da nossa cidade?

Ônibus são movidos a óleo diesel, utilizam pneus e trafegam sobre asfalto, além de terem uma vida útil de cerca de 5 anos.

Qual sua vantagem sobre o VLT ou o metrô leve?

4 Comentários

  1. Luiz Fernando disse:

    Também acho que BRT não é solução. Até mesmo o VLT não seria adequado para ligar a Barra à zona oeste.

  2. Fernando disse:

    Primeiramente teria que se ver qual a demanda para depois ver qual o melhor modal mas, com certeza, não seria o BRT.

  3. Mario Soares disse:

    Vou falar aqui quais serão os problemas do BRT ANTES de começarem à funcionar para depois mostrar como é fácil perceber que o projeto é super mal feito. Haverão problemas porque:
    As estações são minusculas, sem ar-condicionado.
    As estações terão poucas roletas/entradas/saídas para o grande fluxo de usuários.
    Os usuários terão grandes dificuldades de acesso às estações, muitos serão atropelados.
    As estações terão pouco espaço para os ônibus pararem, dois ou três somente de cada vez.
    As estações serão feitas com materiais de baixa qualidade, os equipamentos (roletas, painéis eletrônicos, portas automáticas, guichets) não funcionarão ou muito mal.
    As estações e o trajeto não terão saídas/entradas de emergência para ônibus quebrados ou acesso de guinchos para reboque ou bombeiros em caso de incêndio.
    O fluxo de pessoas será muito grande com relação ao número de BRT’s, logo haverá uma super-lotação e inúmeros acidentes e engarrafamentos.
    O acesso para cadeirantes será IMPOSSIVEL ou muito difícil.
    Os usuários NÃO poderão comprar passagens (ou todas as passagens) na estação.
    As estações abrirão somente de segunda à sábado, nunca 24 hs por dia ou em horários não adaptados.
    As empresas de ônibus vão fazer o que quiserem (de novo) impondo horários e preços.
    O problema de transporte de massa NÃO será resolvido. As empresas de ônibus (as mesmas que fazem o que querem há séculos) vão ter direito (exclusivo à) 25 ou 50 anos de exploração sem pagarem um centavo para as obras.
    Vamos ver, eu vou dar o link desse papo quando os problemas começarem, ou seja, logo na primeira semana do BRT.
    Falô galera, e aprendam à votar na próxima, valeu?..

    • PAULO MALHEIROS disse:

      Suas colocações estão certas e já esta acontecendo a superlotação, eu acho que a solução seria o VLT e usar o centro da AV Brasil com transporte suspenso.

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558