Fundo saudita inicia negociação para o Brasil

O governo brasileiro deu início às tratativas com o fundo soberano da Arábia Saudita, oitavo maior do planeta, para atrair aportes em projetos de infraestrutura. A intenção é concretizar promessa feita ao presidente Jair Bolsonaro durante visita ao Oriente Médio em outubro de 2019, de investimentos sauditas de até US$ 10 bilhões no Brasil.

Na terça-feira, a Casa Civil coordenou reunião virtual entre representantes de sete ministérios e a cúpula do Fundo de Investimento Público (PIF, na sigla em inglês), que gere ativos de mais de US$ 300 bilhões em todo o mundo. A carteira do programa de concessões foi apresentada em detalhes.

O Valor apurou que quatro projetos, no entanto, recebem prioridade nas conversas: a Ferrogrão (ferrovia que ligará o Mato Grosso ao Pará), a gestão operacional dos dois eixos de transposição do rio São Francisco, novas concessões de saneamento básico e o perímetro de irrigação do Baixio do Irecê (BA).

No caso da Ferrogrão, cujos estudos de viabilidade foram recém-enviados para análise do Tribunal de Contas da União (TCU), o grande desafio do governo é convencer investidores a entrar em um empreendimento totalmente novo e nas franjas da Amazônia. A ferrovia tem orçamento estimado em mais de R$ 8 bilhões e o Ministério da Infraestrutura busca vendê-la no exterior como um projeto “verde”, que diminuirá a emissão de gases-estufa no escoamento de grãos e ajudará a conter o desmatamento na região, ao contrário da ampliação de rodovias, com seu efeito “espinha de peixe” no trajeto.

De acordo com a descrição de um dos participantes do encontro virtual, os sauditas parecem ser mais pragmáticos e ter mais conhecimento das regras para investimentos no Ocidente do que os chineses. A comparação foi feita porque a China acena com investimentos bilionários na infraestrutura brasileira desde 2015, quando começou a constituir um fundo bilateral de US$ 20 bilhões, que até hoje não selecionou nenhum projeto para receber aportes.

Diferentemente de Pequim, que costuma adotar o formato de fundos específicos e com regras próprias, os representantes da Arábia Saudita deixaram claro sua preferência por investimento direto como “equity” nos projetos. Ou seja, eles preferem entrar como acionistas e sem contrapartidas, como fornecimento de equipamentos às obras.

Por outro lado, valorizam a rentabilidade dos empreendimentos. Em outras palavras: pode até haver algum direcionamento, por orientação do príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman, mas o PIF não admite ter perdas financeiras em nome de influência geopolítica.

Na sequência da reunião de terça-feira, ficou acertado que haverá outro encontro (em data ainda indefinida) em nível mais alto, com a presença de ministros brasileiros e do “board” do fundo soberano. Esse conselho tem a presença de ministros sauditas, como o de Finanças e o de Investimentos, além de ser chefiado pelo próprio Bin Salman.

 

Fonte: Valor, 13/08/2020

Comentários fechados.

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558