Integração da malha permite ganhos na mobilidade urbana

Mobilidade é uma questão vital para os 21,5 milhões de habitantes dos 39 municípios que fazem parte da Grande São Paulo. Com uma frota de 9,1 milhões de automóveis, a região metropolitana busca alternativas para reduzir os altos custos sociais, econômicos e ambientais da motorização individual. Desatar o nó da mobilidade passa pelo planejamento adequado do uso e ocupação do solo, pela integração da malha de transportes e pela valorização da bicicleta, na visão dos especialistas. envolve também a adoção de novas tecnologias e investimentos continuados nos modais ferroviário e metroviário.

Em 2020 o governo paulista pretende viabilizar projetos de quase R$ 30 bilhões em linhas de metrô e trens urbanos. Três empreendimentos na capital fazem parte das prioridades: a Linha 6 – Laranja, entre Brasilândia e São Joaquim; a extensão da Linha 2 – Verde até a estação Penha, na zona leste; e a Linha 17 – Ouro, monotrilho entre o Morumbi e o aeroporto de Congonhas. Outro projeto que a atual gestão quer tirar do papel é o trem de alta velocidade média entre São Paulo e Campinas. O trajeto previsto é um corredor formado pela Linha 7 – Rubi, que chega até Jundiaí, e pelo Trem Intercidades, com investimento estimado de R$ 6 bilhões.

O transporte por trilhos tem grande relevância na inclusão social que vive na periferia, avalia Diamantino Augusto Sardinha Neto, pesquisador do Observatório das Metrópoles, doutor em ciências sociais pela PUC e professor titular na Anhanguera Educacional. O bilhete único é um dos maiores programas de transferência de renda, afirma. Sua adoção a partir de 2005 beneficiou a população que ganha até quatro salários mínimos, já que 70% da oferta de empregos está na região central. Ele acredita que os investimentos dos últimos anos estão no caminho correto, mas é preciso repensar a integração entre o metrô e ônibus, para que sejam complementares e não concorrentes.

Os paulistanos são afetados de maneiras distintas pelo modelo de mobilidade centrado no automóvel. A depender do bairro onde se mora, por exemplo, as chances de morrer em um acidente de trânsito variam até 41 vezes.

Outra pesquisa da ONG mostra que a lotação, a tarifa alta e a frequência reduzida são os principais problemas percebidos pelos usuários de ônibus. Uma em cada três pessoas trocaria o carro pela bicicleta, se tivesse mais segurança.

Um plano da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes pretende reduzir o índice de mortes por acidentes de trânsito para 6 a cada 100 mil habitantes, de acordo com a recomendação da ONU. Em 2018, o índice foi de 6,95. Entre 80 ações previstas para promover a segurança no trânsito e a intermodalidade, incluem-se a extensão de calçadas em cem pontos para reduzir a distância de travessia do pedestre; e o programa Pedestre Seguro, que prevê revisão do ciclo semafórico, recuperação da sinalização e aumento nos fiscais em sete corredores de trânsito.

Lançado em dezembro, o novo Plano Cicloviário prevê 173 km de novas conexões com integração da malha viária, 310 km de reformas e melhorias e 12 km de remanejamentos. O investimento de R$ 325 milhões virá acompanhado de um projeto de recapeamento asfáltico de R$ 250 milhões. No total, a cidade passará aos atuais 503 km para 676 km em 2020, e 70% dessas estruturas se interligarão ao transporte coletivo, explica o secretário de mobilidade e transportes, Edson Caram. Ele lembra que houve ampla participação popular na elaboração do plano.

A grande expansão das ciclovias de São Paulo ocorreu entre 2013 e 2016, mas essa malha ainda representa menos de 3% da existente na cidade, observa a diretora-presidente da União dos Ciclistas do Brasil, Ana Luiza Carboni. Promover o uso da bicicleta tem grande potencial de impacto positivo na saúde pública, na economia e na redução de emissão de poluentes. Para a especialista em mobilidade, é fundamental incluir a bicicleta como um dos subsistemas de transporte, por meio do fomento ao compartilhamento e a bicicletários públicos seguros.

Mobilidade é um eixo transversal de grande qualidade de vida e contribui para investimentos em outras áreas, diz a coordenadora da Rede Nossa São Paulo, Carolina Guimarães. Ela lembra que a maior circulação de pessoas aquece a economia e viabiliza o exercício de direitos pela parcela mais vulnerável da população. Carolina defende a inclusão permanente do tema na agenda municipal, com processos participativos que respeitem as realidades diversas de cada distrito.

Fonte: https://valor.globo.com/publicacoes/suplementos/noticia…

Deixe um comentário

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558