Restauro da Estação custará R$ 6,8 milhões

A partir do dia 1º de setembro, a Estação Jundiaí, terminal da extensão operacional da Linha 7-Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), passa por um processo de restauração. A reforma consiste na troca de toda a cobertura do corpo da estrutura e da plataforma central, além das adequações internas das salas de operação e reforma da passarela interna utilizada pelos usuários.

O gerente de projetos da CPTM, Eduardo Tavares de Lima, de 42 anos, adianta que o principal objetivo da reforma é garantir que a estação seja revitalizada para manter a segurança necessária dos usuários e dos colaboradores. O valor total do contrato é de 6,8 milhões, com duração de 15 meses.

“Esse projeto de recuperação e restauração, contempla outras estações da Linha 7 além da estação terminal em Jundiaí. Estão acontecendo adequações de acessibilidade na estação de Várzea Paulista em Caieiras. Há também a reconstrução da estação de Francisco Morato que estão em fase de conclusão. Essas obras fazem parte do processo da CPTM de melhorar as estações para todos passageiros e colaboradores, mantendo a segurança e o conforto deles”, explica Lima.

Mesmo com as obras, a estação continuará operando em pleno funcionamento mantendo os intervalos de trens normalmente. A chefe do departamento de projetos e edificações da CPTM, Marcela Alonso, de 41 anos, explica que isso será possível devido ao cronograma de efetivação da obra que acontecerá em quatro fases. “Nós separamos a reestruturação da estação em quatro fases. A primeira será a adequação das áreas internas como os vestiários. Em seguida a adequação da bilheteria provisória mantendo assim o funcionamento da estação para que na terceira fase seja possível restaurar a bilheteria oficial. Na última fase, já teremos o corpo todo da estação restaurado e concluiremos com a reforma da plataforma central”, explica.

Ela comenta que para cada fase da obra haverá a interdição do espaço em que as adequações serão feitas para que seja possível fazer a troca das telhas da estação em conjunto com a reforma.

Segundo Lima, as intervenções no espaço foram analisadas e aprovadas pelos Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT) e pelo Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Jundiaí. A empresa terceirizada contratada pela CPTM para realização da obra é especializada em restaurações.

Fonte: https://www.jj.com.br/jundiai/restauro-da-estacao-custa…

Comentários fechados.

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558