SuperVia suspende circulação no ramal de Guapimirim por ‘questões de segurança’

A SuperVia suspendeu, nesta quarta-feira, a circulação no ramal de Guapimirim. A medida, segundo a concessionária, é temporária e foi tomada por “questões de segurança” — a empresa citou “sucessivos protestos na linha férrea no município de Magé”.

De acordo com nota divulgada pela SuperVia, “no último sábado (30/06), manifestantes invadiram a via e atearam fogo em objetos para impedir a circulação de trem próximo à estação desativada de Santa Guilhermina. O mesmo tipo de protesto ocorreu na madrugada desta terça-feira (3/07), próximo à estação desativada Santa Dalila”.

A empresa alega que “ações como essas colocaram em risco a integridade de passageiros e funcionários da concessionária”. A concessionária diz aguardar “a normalização das condições de segurança na região para então restabelecer a circulação na extensão Guapimirim”.

A empresa não informou quantos passageiros o ramal transportava por dia e que deixarão de contar com serviço. Disse apenas que “atende atualmente todas as 102 estações previstas no Contrato de Concessão”.

Fonte: Jornal Extra, 04/07/2018

2 Comentários

  1. LUIZ CARLOS BERÇOT disse:

    ORA, SE O PROBLEMA SNALIZADO PELOS MORADORES POR MEIO DE MANIFESTAÇÕES ESTÁ RELACIONADO À DESATIVAÇÃO DE ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS, A SOLUÇÃO APLICADA PELA EMPRESA É, NO MÍNIMO CONTRADITÓRIA E INCONCEBÍVEL, POIS, FACE AO RELATO, ESSE FATO SOMENTE OCORREU PORQUE HÁ DEMANDA PELO TRANSPORTE FERROVIÁRIO. RAZÃO PELA QUAL NÃO SE JUSTIFICA A SUSPENSÃO DOS SERVIÇOS, MAS SIM IMPLEMENTAR A RECUPERAÇÃO OU A REATIVAÇÃO DAS REFERIDAS PARADAS (ESTAÇÕES) E NÃO LANÇAR MÃO DO INCIDENTE COMO PRETEXTO PARA SE RELEGAR AO ABANDONO, DEPREDAÇÃO E SUCATEAMENTO OS EQUIPAMENTOS E A VIA FÉRREA EXISTENTES NOS TRECHOS ALUDIDOS PELA MATÉRIA DO JORNAL EXTRA. BASTA DE EXTINÇÃO E ABANDONO DE ESTAÇÕES E TRECHOS DE VIAS FÉRREAS! PORTANTO, AMIGOS DA FERROVIA, BUSQUEM APOIO JUNTO AO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL E PROTOCOLEM SUAS QUEIXAS E RECLAMAÇÕES CONTRA O ESTADO CONCEDENTE E A CONCESSIONÁRIA, POIS SE TRATA DE PATRIMÔNIO PÚBLICO PARA ATENDER PRECIPUAMENTE A POPULAÇÃO DAQUELA ÁREA DA ZONA METROPOLITANA, E COM A OBRIGAÇÃO DE OFERECER UM SERVIÇO SEGURO, CONFORTÁVEL E QUE ATENDA, MINIMAMENTE, AO BEM-ESTAR DOS USUÁRIOS.

  2. LUIZ CARLOS BERÇOT disse:

    ORA, SE O PROBLEMA SNALIZADO PELOS MORADORES POR MEIO DE MANIFESTAÇÕES ESTÁ RELACIONADO À DESATIVAÇÃO DE ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS, A SOLUÇÃO APLICADA PELA EMPRESA É, NO MÍNIMO CONTRADITÓRIA E INCONCEBÍVEL, POIS, FACE AO RELATO, ESSE FATO SOMENTE OCORREU PORQUE HÁ DEMANDA PELO TRANSPORTE FERROVIÁRIO. RAZÃO PELA QUAL NÃO SE JUSTIFICA A SUSPENSÃO DOS SERVIÇOS, MAS SIM IMPLEMENTAR A RECUPERAÇÃO OU A REATIVAÇÃO DAS REFERIDAS PARADAS (ESTAÇÕES) E NÃO LANÇAR MÃO DO INCIDENTE COMO PRETEXTO PARA SE RELEGAR AO ABANDONO, DEPREDAÇÃO E SUCATEAMENTO DOS EQUIPAMENTOS E A VIA FÉRREA EXISTENTES NOS TRECHOS ALUDIDOS PELA MATÉRIA DO JORNAL EXTRA.

Deixe um comentário

voltar para página inicial

Av. Presidente Vargas, 1733 - 6° e 7° andar - Centro - telefax: (21) 2221-0350 / (21) 2222-1404 / (21) 2509-0558